Vai passar...


Tem sido difícil não é?
Ver a pessoa que a gente ama abrir a porta e sair... Levando consigo, tanto de nós. Toda uma vida de dedicação... Entrega e amor?

Do nada a casa fica vazia, uma pessoa pode ocupar tanto espaço assim? Talvez eu deva dizer a você que sim. Eu, a pessoa que você mais tem evitado... Por quê eu sei exatamente a dimensão da sua dor, uma vez que quando você saiu da minha vida eu vivenciei dores que eu jamais poderia imaginar que existissem. Mas, eu quero te dizer uma coisa, vai passar.

Sempre passa. São processos doloridos sabe? 
Primeiro vem uma sensação de revolta, com a vida, com o mundo. Depois brota dentro de nós uma força e então decidimos que vamos resolver tudo, que vamos fazer o possível para reverter e até perdoar o imperdoável... Só que há limites para nossa vontade e ela morre quando não condiz com a do outro, tente ser forte porque a rejeição é algo que machuca, corta, rasga por dentro e deixa cicatrizes bem difíceis...

Em seguida vem a raiva, às vezes de nós ou do outro. Acompanhada ou não de um sentimento destrutivo. Ela é seguida da culpa. É o momento que começamos a pensar e a nos julgar e olha, tantas vezes ficamos achando falhas para nos culpar... Eu me culpei, muito. Até chegar a aceitação... Essa fase é a que precisa de mais cuidado, porque tendemos a nos fechar para a vida, amigos, mundo. Fechamos nossas redes, evitamos a vida.Mas, os amigos surgem e a gente começa a tentar viver, mas é difícil mesmo. Muitas  vezes nos momentos mais divertidos, quando o mundo finge que não sabe como a gente esta sofrendo, todos rindo e nós não conseguimos segurar as lágrimas, mas calma, vai passar.

Só que antes de passar a gente vai se afundando em uma besteira e outra, às vezes beijamos outras bocas, desejando apenas uma, bebemos mais que devemos e ainda postamos fotos. Fazemos uma bagunça danada com a nossa vida, difícil mesmo de organizar depois, ou, nos fechamos em ostra, mas às vezes nos pegamos olhando as fotos, passando a mão na tela e nos perguntando, porque?

Ainda vai ficar pior, quando você vir uma foto dela com outro... 
Sorrindo, feliz, aquele olhar apaixonado que era seu agora dirigido a outro. Bate mesmo uma bad... E nos perguntamos: "Porque? Porque?"

Vai passar...


Aos poucos a dor caleja sabe?

Não é que ela vá embora, mas aprendemos a lidar com ela. Aos poucos seguimos a vida, a rotina, deixamos de lado aqueles "posts" ridículos, dando entender que estamos felizes com outro ou outra no seu caso. 

Vai passar... Eu garanto, mas, você nunca mais será o mesmo, pois cada minuto em nossa vida é único. Mas...

Vai chegar um dia que pensar nos momentos que se viveu junto já não vai causar dor, nem sofrimento. É serio, eu juro! Vai se tornar uma lembrança e vai te remeter a momentos que foram lindos. Aquela viagem, incrível, com tantos sorrisos... Aqueles abraços e lábios tão...

Bom, saiba que eu vivo essa fase já a um tempo e os momentos que compartilhamos, hoje são lembranças que eu tenho em um lado lindo em mim, eles se transformaram em momentos de paz, de uma saudade tão boa, que eu chego a acreditar naquela frase do poeta, “a saudade é a felicidade atrasada.”

Não fique constrangido de me olhar nos olhos, essa fase que você vive hoje eu já ultrapassei e você é uma sensível lembrança, um amor que passou e deixou momentos incríveis para mim. Eu não me arrependo de nada. 

Eu senti de longe a sua dor e com toda sinceridade, não foi legal. Eu nunca tive nenhum sentimento de “estou vingado”. O que existiu entre nós e tudo que nós vivemos foi muito para que eu  possa lhe desejar mal. Eu tenho metas hoje e ver você bem vai me deixar livre para que meus voos tenham sucesso. Eu tive a tentação de te ligar e fazer um carinho com palavras de conforto, mas, o nosso tempo passou.

Hoje eu vivo um novo tempo, piso devagar e com cuidado, mas você e eu não somos e jamais seremos nós. 
Apesar de ser “indignos da fé”, eu oro por você. Pois de tudo lindo que você me deu, inclusive ao partir, eu desejo que uma nova vida se revele, um novo amor, porque esse sorriso lindo, de ladinho não pode ficar escondido.

Vai passar. 
E você vai entender que o enredo da vida é irônico... Mas, que cada cicatriz constitui o que seremos no futuro. Um dia quando a gente for velhinho, quem sabe a gente não tome um vinho juntos e possamos contar com aquele olhar de saudade da nossa juventude. Em um tempo onde estaremos muito mais elevados espiritualmente. 

Abre esse coração para que o roteiro se desenrole e o final seja triunfante. Mas, não interprete na vida real. Seja apenas você e eu afirmo é muito! É lindo.

Vai passar... E você estrela que é continuará brilhando, eu sei.

LEIA MAIS

Amor a distância.

Foto: D.N.

Nessa nossa imensa saudade, te esperar tem sido a meu único bálsamo.

Saber que aquela porta vai abrir e você vai passar por ela, com aquele sorriso de cantinho...

O meu não, ele é aberto incontido, assim como meu abraço. Já não sei se diferente seria melhor, nós não sabemos...
Aprendemos a viver na inconstância da despedida e do retorno.
Você vem, eu vou...
Uma vida definida pela espera. Um aperto imenso na despedida, que só passa no retorno. O que dá paz é o olhar de cumplicidade, o entendimento sem palavras e tantas coisas ditas no silêncio ao telefone, a percepção de que algo não tá bem, pelo modo de escrever... As vezes não sabemos, onde, como, com quem...

 A única certeza é que lá dentro tem uma convicção, que em algum lugar alguém nos espera.
LEIA MAIS

O coração dela. By Rafa Magalhães

Essa imagem é do @precisavaescrever


O coração dela é como uma caixinha de veludo trancada por um cadeado. O lugar já esteve bem bagunçado, mas, hoje em dia, até que está tudo mais ou menos no lugar.

Em um cantinho ela guarda as boas e velhas amizades. As amigas que a viram crescer e aquelas que chegaram durante a jornada. A sua família também tem um espaço muito especial ali dentro. Em outra parte ela guarda as suas saudades.
Aquela festa inesquecível.
Aquela pessoa especial que partiu.
O período de escola.
A casa da avó. Aquele tempo bom que não volta mais.
Tem lugar para o seu bichinho de estimação e para os seus personagens favoritos dos livros, seriados e filmes.

No fundinho, bem lá escondido mesmo, ficam os seus medos. Amordaçados e bem trancados para não mais a impedirem de tentar.

Tem o cantinho das viagens também. Aqueles lugares especiais que ela já visitou e os que ela ainda há de conhecer um dia. No maior dos compartimentos é onde ela guarda os seus sonhos. Planos e desejos que, pouco a pouco e com muito esforço, ela vem tornando reais.

Os amores que moraram ali dentro já se mudaram faz um tempo. Alguns saíram por vontade própria, outros tiveram que ser expulsos. Alguns deixaram boas lembranças, outros deixaram a sensação de que não mereciam jamais ter estado ali. Embora ela não admita, ainda existe um lugarzinho especial bem guardado lá dentro. Um cantinho separado com todo carinho, reservado para alguém que ainda vai chegar. Alguém que vai fazer por merecer estar ali. Que vai deixar tudo mais calmo.

Não tenha pressa, menina! A chave daquele cadeado vale ouro e não é qualquer um que merece por ali passar. Existe alguém lá em cima que conhece esse coração até mesmo melhor do que você. Ele sabe das suas lutas e das suas dores. Ele conhece a sua caminhada até aqui e aonde você quer chegar. Nada entra ou sai da sua vida se não for pela vontade dEle. Não permita que nada nem ninguém bagunce as coisas aí dentro e tire a sua paz.

Deixe que a pureza do seu coração se transforme sempre em um belo sorriso. Faça uma oração antes de dormir. Converse com Ele. Conte das suas angústias. Amanhã as coisas vão começar a dar certo.

✏💭 Autor: @rafamagallhaes
LEIA MAIS

Minha transição capilar, passo a passo!

 Enfim cacheada!!! 02 anos de transição.

 

 Em abril de 2016, exatamente no dia 09, eu tive um corte químico. Mas não aconteceu por acaso, eu vinha de 10 anos de maga hair... Até que meus fios não aguentaram. E ficou assim:


Horrível né gente? Imagine o quanto eu chorei... Mas, esse dia foi fundamental para eu mudar a minha vida, para eu decidir que iria respeitar e recuperar os meus fios. Mas, para quem pensa que foi fácil... Ah, vocês não imaginam como foi complicado.

Sem saber por onde começar, eu fui para a internet. Graças a Deus lá encontrei várias blogueiras, ou YouTubers que eram especialistas em recuperar cabelos danificados. E eu resolvi seguir o cronograma capilar da Renata Meins. Bom na época o canal dela era maravilhoso e com toda sinceridade salvou o meu cabelo, mas não é rápido, foram algumas semanas para ele mostrar sinal de melhora.

04 semanas de tratamento (reconstrução, umectação e hidratação)

Eu decidi que iria assumir meus cachos, mas com sinceridade absoluta eu não me lembrava como era o meu cabelo original, já que desde os 12 anos eu fazia amaciamento, relaxamento até chegar na "destrutiva", é como eu chamo a progressiva, pois meu cabelo não é apto a passar por esses processos tão agressivos.

Então eu comprei vários produtos:


  


E descobri que não era barato cuidar do cabelo cacheado, pois eu cresci numa família que cabelo crespo era cabelo ruim, que não precisava cuidados. Onde o cabelo crespo era difícil de cuidar, doía para pentear e que era horrível, ponto.


Só que eu quando quero uma coisa, ahhhh... É louco quem tenta me desafiar, mas, não pensem que foi fácil, pois eu ouvi tantas besteiras, "seu cabelo era lindo", "você fica mais sofisticada com cabelo liso, escovado, bem tratado." E por aí vai...
E para conseguir deixar ele crescer sem estar lavando todo dia, muitas vezes eu mantive seco, dava uma pranchadinha ou usava preso.



(03 meses de cronograma capilar)

Daí então, vocês dirão, nossa cresceu rápido! 

Segura aí as coisinhas que eu fiz para ele crescer... Óleo de coco, óleo de mamona (esses eu fazia massagem no couro cabeludo), shampoo com café (lavava o cabelo com a cabeça abaixada). Sim eu paguei esses micos! Não acabou, comprei o kit "crece pelo" (se escreve assim)... E acrescentava na hidratação, leite de coco, óleo de coco e bepantol... Aderi aos métodos Low Poo, só uso produtos liberados. E jamais deixo o cabelo sem protetor térmico.

 

Parecia tudo perfeito não é?

Só que não! Quando tudo caminhava para cachos deslumbrantes, eis que aparece o Scab hair!


(Foi então que eu fiz o primeiro corte significativo para o meu cabelo.)

O scab hair, é aquela parte do cabelo que começou a nascer após você ter parado com a química, essa parte nasce mais aberta do que realmente irá ser, nasce um pouco mais áspera, rebelde, não cacheia e é o terror para quem esta em transição e não quer usar nada quente como secador e/ou chapinha. 

Como tratar o scab:

  • Fazer massagens capilares com óleos vegetais, irão ajudar a tratar os fios desde o seu nascimento, lá no folículo capilar evitando o scab hair. Vamos lembrar que o oleo de coco penetra dentro do fio, recuperando e hidratando, só uso ele.
  • Procurar ter uma alimentação rica em vitaminas e proteínas, pois isso irá levar uma porção de coisas boas para o interior do seu fio.
  • Manter uma rotina de hidratações será importante também, para que os fios cresçam macios, com brilho e cheios de vida.

(fonte: #todecachos)

Mas Deia, você não fazia isso?

Sim! Eu fazia, mas vai entender... Além do mais meu cabelo foi tão judiado que eu não me achava digna de reclamar, mas, pensei muitas vezes que ele não iria cachear.

Então, investi em mais tratamento.


(Sou um pouquinho exagerada! )kkkk

Mas eu nunca perdi a fé!!! E tentava achar que mesmo com duas, três, ou mais texturas o cabelo podia ser glamouroso.


Só que tem uma hora que não dá mais e precisamos tirar as pontas lisas...


Em janeiro de 2018 eu fiz um corte quase definitivo, pois nas pontas da parte da frente ainda tinha um pouco do scab hair.

Até que agora em abril, quando fez 02 anos da minha mudança e aceitação do meu cabelo eu cortei novamente e agora não tenho, nem químicas, nem scab hair e meus cachos chegaram!!!


Eu tenho fios brancos e manter a cor preta é um desafio. Faço umectação nas pontas na noite anterior a coloração e faço retoque só na raiz! E quando vou ao salão, pq eu corro de salão, eu levo meus produtos.


Só que o cabelo perde o corte e a gente entende que precisa de vários acessórios para manter esse volume todo no lugar. É uma fase difícil para o day after, pois não dá pra prender pra dormir, eu tento usar a toca de seda, mas eu e ela não nos damos muito bem.

Hoje o produto que eu mais gosto é o Joiko Curl Nourished.

Mas, como ele é um produto um pouco caro, deixo ele para quando vou sair, para ocasiões especiais.

Eu estou testando muitos cremes, modeladores, mas sinceramente eu descobri que meu cabelo gosta mesmo de cachear. 
Minha rotina:  
Lavo (shampoo liberado) a cada 03 dias (não sei o que vou fazer nesse inverno), borrifo a mistura 90% de água para 10% vinagre de maçã, passo a mascara (to usando a Dream Cream da Lolla), deixo agir por 5 min, uso condicionador e finalizo com o cabelo úmido para seco. Ao menos 1 x na semana eu faço hidratação e 1 x por mês reconstrução com touca térmica.

Eu fiz a resenha do mach do "O Boticário", lá no instagran @deianevves .

Agora aquela dica de amigona, BFF mesmo, veja esse vídeo abaixo, esse produto é maravilhoso, o cabelo fica emoliente. Ele tem 500 ml, é um produto da Kelma Cosméticos que eu não conhecia, contem, manteiga de karité e abacate, óleo de girassol e proteína do trigo. Custa R$ 9,99 e deixa os cacho super definidos e brilhosos e foi ele que usei na foto no topo da postagem. Super indico!!!



Bom amoras é isso, agora é lidar com o crescimento e cuidado com meu cabelo crespo e cacheado. 

É muito importante que saibamos que nossos cabelos muito ao contrario da ditadura a qual fomos educadas, não são ruins, não são duros, nem devem ser tratados de qualquer forma. Nosso cabelo é sim lindo, precisa de cuidados pois a maioria dos fios são muito fininhos, delicados e nós perdemos sim mais tempo cuidando deles para que sejam sempre saudáveis e brilhosos.

A quem esta em transição, paciência é a palavra!!! Mas eu afirmo, vale muito a pena.

Do que eu não abro mão: óleo de coco, pente garfo.

Boa sorte a todos e viva as cacheadas e estou muito feliz em mudar a hastg, agora é #enfimcacheada ;)

cachos, transição capilar, cacheada, crespos, scab hair, 

LEIA MAIS

Apenas mais uma Maria...


E nasceu mais uma Maria, como tantas outras Marias...
De riso fácil, olhos castanhos claros e bochechinhas rosadas...
Era aquela pequena, apenas uma Maria.

Uma Maria que era filha do meio entre 07 irmãos...
Maria que tomava banho dado pela irmã, apenas 1 ano e pouco mais velha...
Era apenas mais uma filha, que recebia pouca atenção, não por desamor, mas, porque outras prioridades chegara a fila primeiro.

Uma Maria que cresceu e aprendeu a sorrir...
E, como sorria essa Maria!
Gracejos e situações que carregaria para sempre na lembrança.

Era apenas uma Maria, como qualquer outra...
Que casou aos 16 anos e engravidou na primeira noite...
Era essa Maria tão jovem, tão “livre”, mas já não tão contente.
Apenas uma Maria que perdeu um pedaço de si, mas, que seguiu sua vida, menos esperançosa do que antes.
Uma Maria que já haveria conhecido a dor...

Uma Maria, que aprendeu com a vida, que os homens não são fiéis...
Que vivia muito mais tempo sozinha com seus filhos e que decidira que por eles, enfrentaria tudo!
E... Enfrentou essa Maria, mãe de 07 filhos, só criou 04, 03 morreram...

Uma Maria que deixou seus filhos aos cuidados da mãe para começar uma vida nova...
Numa cidade grande, como grande eram as dificuldades!
Recomeçou e 06 longos meses depois voltou para buscar os “abracinhos” mais esperados do mundo!
Ah essa Maria, como tantas outras Marias... Tinha um sorriso nos lábios e lágrimas no olhar...
Era apenas uma Maria, grávida aos 31 anos, quando já não esperava mais... E, mesmo assim se alegrou!!! Nova vida, novas esperanças...
Ah essa Maria! Persistente, insistente, lutou e nunca se abateu pelas faltas...
Quantas faltas viveu Maria!?

Era uma Maria, como tantas outras Marias, que viu seus filhos crescerem em meio a tantos problemas... “desestrutura” familiar, mas, o riso de Maria, fazia tudo isso se dissipar!

Uma Maria como outra qualquer que depois de 28 anos de casamento viu tudo acabar...
É Maria, é hora de mais uma vez recomeçar...
Enfrenta o medo Maria, inseguranças nunca sentidas e o desafio de acabar de criar os filhos sozinhas...

Era uma Maria, como tantas outras Marias que nunca trabalhara fora...
Essa Maria, foi criada pra ser mãe, esposa, filha... Mas, não para trabalhar fora. Porque algumas Marias eram ensinadas que o homem era o único provedor...
Contudo essa Maria, era prendada, pintava, bordava, fazia bonecas, crochê, tricô e sorria, ahhhh Maria, nunca esqueceu essa maravilha que é sorrir!!!

Era apenas uma Maria, como tantas, que viu seus filhos crescerem e casarem...
Maria avó, bisavó... Ah Maria como cresceu o amor em seu coração!

Maria como tantas outras que enfrentou dores no corpo e na alma, doenças que abalaram suas estruturas feitas de fé e alegria... Ah Maria, superou cada desafio! Danada essa Maria.

Essa Maria, como tantas outras Marias envelhece, sem gostar do verbo envelhecer!
Essa Maria, como algumas outras Marias, gosta de música, fotos, fast food e shows... Mas essa Maria gosta mesmo é de abraço, beijo, “xero”!!! Essa Maria que troca em todas as ocasiões a palavra "morrer" por "viver", engraçada essa Maria!

Uma Maria como tantas outras Marias, forte, mas com cicatrizes...
Maria que não perdeu o riso, mas chora!
Maria que ama e diz, sem medo!!!
Maria que lida com o outro com jogo de cintura...
Maria que sabe pedir perdão, quando nem precisa.
Uma Maria como tantas outras, que hoje em passos mais lentos, ocupa seu lugar de matriarca...
De uma família que por ela e para ela segue de pé.

Aquela Maria, que era apenas uma Maria se tornou única! E é em seu rosto, em seu sorriso, em suas lágrimas que prova, que essa Maria, nunca foi e nunca será uma Maria qualquer...
Obrigada Maria de sobrenome Vital, pseudônimo Guerreira!

Déia Neves

(...)
“Se alguém lhe disser que sonha,
levantará com desdém o arco das sobrancelhas,
Pois jamais se viveu com tanta plenitude.

Mas para falar de sua vida
tem de abaixar as quase infantis pestanas,
e esperar que se apaguem duas infinitas lágrimas.

Cecília Meireles, in 'Poemas (1942-1959)'  - trecho de “Retrato de Mulher Triste”
LEIA MAIS