Dia da saudade - 30 de Janeiro



"E por falar em saudade, onde anda você...
Onde andam seus olhos,que a gente não vê..."

Muita gente pensa em saudade como uma coisa ruim, um vazio... Bem, vazio é, não há como negar. Mas, saudade pode ser um sentimento bom quando bem resolvido e não um fantasma do passado que aparece para trazer dor...

Eu sinto saudade do doce de caju, da sopa e dá mesa imensa de jantar da casa dá minha vó, chega aquecer o peito. É a mais terna saudade... 

Sinto saudade dos meus sobrinhos crianças, do meu Lion que dizia "vc é a tia mais linda do mundo" (eu sabia que era mentira, mas era a mentira mas linda do mundo), ou do Layon, me contando suas aventuras no ônibus de dois andares "gandona tia" (grandão)! Do meu Renan, que corria e dizia "papai foi comer ticha (lagartixa) com pinga" (artes dá minha mãe, que ensina isso pra criança, rsrs) e quando chegou nossa única menininha que era a cara da Lillo (Lillo & Stitch), nada no mundo me trás mais alegria em lembrar, embora para eles hoje seja constrangedor...

Tem coisas que eu não tenho saudade, de uma infância traumatizada e amedrontada, cheia de traumas...  A separação dos meus pais foi um alívio para mim é isso não é gostoso falar... Essa é uma saudade de dor, que as vezes chega a ser física.

Mas, poucas coisas trazem tantas saudades como um amor, amor de homem e mulher, amor que mexe com o coração... Borboletas no estômago... Aquele sentimento bom de "aí Jesus"! A primeira viagem de amor... As primeiras loucuras e as grandes... Aquelas coisas que vc pensa "não devia fazer isso, por quê se não der certo..." Mas deu! Essas saudades são imbatíveis e são infinitas! Você vai ter outros amores, mas essas saudades nunca te abandonarão é isso é bom, saudável... Quem não tem, verdadeiramente não viveu. Ninguém conta, mas as guarda como um tesouro de valor inestimável.

Converse com um idoso (eu amo idosos), eles já não precisam mais esconder suas saudades e falam delas com tanta leveza, mas, com lirismo, respeito. É uma saudade palpável... E as vezes com sorrisinhos envergonhados... É muito lindo. Distante da nossa realidade, mas, ousado para o tempo deles...

O que me faz pensar o que temos feito nessa nossa vida de loucura, pegação, ficação, sexo sem compromisso, para deixar saudade. Você vai deixar saudade em alguém? Alguém vai lembrar do seu sorriso? Do seu olhar? Sua risada? Alguma frase sua, o seu jeito de sorrir ou de mexer no cabelo antes de dormir? Seu jeito único de rir até ficar mole? O meu orgulho se agita ao pensar que ninguém sentirá saudade de mim...


Que nós possamos apesar de tudo que vivemos, sentir mais as pessoas, dar mais sorrisos, abraços e olhares. Palavras doces e gentilezas, para que nem tudo seja crítica e passageiro, mas que um pouco de nós possa sobreviver, naquele sorrisinho fora de hora que aparece junto com essa palavrinha exclusivamente nossa... 

Saudade.

LEIA MAIS

10 dias longe do Blog!!!



Olá amoras!

Estive longe, fiquei 10 dias sem postar, isso não é muito comum mais não é?
Pois é!!!
Eu sempre passo por aqui e deixo uma mensagem, mas dessa vez não foi possível.
Bem, como vocês sabem eu sofro de cefaleia e ha 04 anos eu estou em tratamento, (essa semana na sexta eu vou fazer a postagem coletiva contando por todos os diagnósticos que passei para descobrir meu diagnostico real), mas, por enquanto eu preciso que saibam que eu estou tendo crises frequentes de "cefaleia em salvas". Vamos começar explicando que é uma dor de cabeça muito, muito forte, incha os olhos e lagrimeja, entope o nariz, dói o globo ocular, no meu caso tenho sensibilidade a cheiro, claridade, dor no rosto (desde acima da sobrancelha, até logo abaixo da bochecha), têmporas e muita, muita falta de ar.
Então, eu comecei um tratamento com oxigênio 100% e alguns remédios novos que segundo meu médico vão agir gradativamente... Só gente, que coisa ruim, dizem, que só vem de penca né? #taamarrado rs... Mas aí a pessoinha aqui ta com uma inflamação no estomago e no esôfago, causado pelos remédios, acabei precisando ficar de repouso, fazer uma dieta bem restrita, e aí foi que a porta torceu o rabo de vez, a anemia se animou e saiu sambando e acabando com a minha imunidade e a Déia não aguentou e ficou 'malzona', de cama! Mas eu to com fé que agora as coisas vão voltar ao normal e vamos retomar as coisas por aqui, peço desculpas e nas minhas redes, twitter DeiaNeves_ , Ig. @deianevves e Facebook/FanPage Assim Como Sol , deixo sempre recadinhos de tudo que esta acontecendo, ok?
Essa semana vai ter poesia e poetas,  bjokas.
LEIA MAIS

Reclamar menos... Postagem Coletiva #52semanasdegratidão


Quando eu atravessei a catraca do terminal, ver o ônibus ali, foi um alívio imenso. Pois eu sabia que quando chovia, chegar em casa era um verdadeiro caos! Parece engraçado "como pobre se contenta com pouco", eu pensava... Foi quando o ônibus fechou as portas e saiu... Eu tentei correr, mas não obtive sucesso, aquele motorista sem coração me deixou ali, sozinha... "Felicidade de pobre dura pouco", pensei... e, em pensamento descarreguei todo dicionário de palavrões que minha mente conhecia desde o meu nascimento, juro!

Enquanto a chuva caia torrencialmente, algumas lágrimas também caiam... As vezes a nossa rotina é tão cansativa, estressante, ser trabalhador no Brasil é tão desgastante, a gente se sente um nadinha...

Para minha surpresa, chegou outro ônibus muito rápido,coisa de 05 minutos, era quase impossível acreditar que aquela hora conseguisse ir sentada, difícil mesmo de acreditar... Há menos de 03 km, nos deparamos com um acidente horrível, um ônibus havia cruzado o semáforo e colidido com um Fiat uno e mais 02 carros, mas eu não consegui olhar, haviam muitos feridos, eram 06 carros dos bombeiros e mais 03 do SAMU. Eu observava trêmula aquelas luzes todas diante de mim, eu deveria descer e ajudar, porque eu sempre fui da Defesa Civil, mas, eu não tinha condições psicológicas, porque aquele ônibus eu reconheci e eu estava furiosa porque eu queria estar dentro dele! Naquele momento tudo que eu pude dizer e digo a cada momento que me lembro é "desculpa Deus".

Sim, eu sou evangélica desde 1993, mas nunca fui perfeita, já me afastei, erro todo dia. Não me acho merecedora da maioria das coisas das quais Deus me honra, mas, jamais, jamais fui de murmurar e procuro ser grata, talvez por isso, esse fato que já aconteceu ha mais de 01 ano até hoje me torture tanto e hoje eu precise compartilhar... Deus cuida de nós até mesmo quando não imaginamos e não merecemos! Eu não merecia, mas, bom pai como ele só! Teve misericórdia de mim... 

Eu aprendi gente com essa lição. Hoje quando algo acontece as pessoas me dizem algo, reclamam  eu sempre digo:
"Deus sabe."
"Podia ser pior."
"Talvez isso aconteceu para que algo pior não aconteça"...
E as vezes sinto que irrito um pouco as pessoas, mas, minha divida de gratidão com "ELE" é eterna!

#52semanasdegratidão


In time: Gente linda da postagem coletiva, eu quero pedir perdão as pessoas que eu ainda não consegui ler e comentar, eu estou indo devagarinho, mas eu estou sofrendo muito com a cefaleia e tenho tido crises horríveis da "cefaleia em salvas", estou até deixando de postar no Blog, faltando a terapia, etc... Mas eu sempre que posso, leio e comento, bem de acordo com a dor, mas respeito demais vcs e agradeço muito por terem me aceito com tanto carinho, Deus abençoe a todos, bjokas.
LEIA MAIS

Richard Bach


Richard Bach

É o escritor que inspirou o compositor Victor Chaves da musica "Longe" da dupla Victor e Leo, e você sabe de onde veio essa inspiração? Do livro LONGE É UM LUGAR QUE NÃO EXISTE.
Acompanhe toda a narrativa no final dessa postagem!

(...) “...deve se lembrar sempre que não saber não impede a verdade de ser verdadeira.!



Eis um teste para saber se você terminou sua missão na terra, se você esta vivo, não terminou.

O que a lagarta chama de fim do mundo, o homem chama de borboleta.

Se desejas tanto a liberdade e a felicidade, não vês que ambas estão dentro de ti? Pensas que as tens e a terás. Age como se fossem tuas e serão.

Richard Bach (1936), piloto de avião da reserva dos E.U.A., autor de vários livros que rapidamente se tornaram best-sellers.

Seus livros praticamente todos envolvem o voo, “de certa maneira”. Desde voar em aeronaves, as ultimas onde o voo é uma completa metáfora filosófica.

Richard é um escritor contemporâneo, usava a internet no princípio dos anos 90, onde respondia e-mails pessoalmente, até que a enorme demanda o obrigou a largar o passatempo. Ele também mantinha um website que a partir de 2005, passou a ter conteúdo em inglês para a venda do livro “Manual do Messias – Um guia para a alma avançada.”
Seus livros são:
1963 – Estranho a Terra
1966 – “Biplano”
1969 – Nada por acaso
1970 – Fernão Capela Gaivota ( sucesso absoluto)
1974 – “O dom de voar”
1976 – “Longe é um lugar que não existe”
1977 – “Ilusões – as aventuras de um messias indeciso”
1984 – “A ponte para o sempre”
1988 - “Um”
1994 – “Fugindo do Ninho”
1999 – “Fora de Mim”
2002 – “Resgate no Mar”
E os não traduzidos: “Writer Ferrets: Chasing the Muse”/”Rancher Ferrets on the Range”/ “The Last War”/ “Flying”
2004 - “Manual do Messias – Um guia para a alma avançada.”

Peço perdão pelo texto extenso, mas, acredito que devemos “beber esse momento...

Longe é Um Lugar que não existe
Há muito tempo, Rae Hansen, uma menina às vésperas de seus cinco anos,
convida o amigo Richard Bach para sua festa de aniversário.
Confiante, ela o espera, apesar de saber que sua casa ficava além dos
desertos, tempestades e montanhas...
Como Richard Bach chega até lá e o presente que ele lhe dá são narrados
nessa história mágica. Este clássico continua a inspirar as relações de amizade que não mais dependem de tempo nem espaço. Quem já voou nas asas da gaivota
encontrará aqui muitos pensamentos para compartilhar “até que finalmente acabará descobrindo que não precisa do anel nem de pássaro para voar sozinho acima da quietude das nuvens" e "que as únicas coisas que importam são as feitas de verdade e alegria”.
“— Rae! Obrigado por me convidar para a sua festa de aniversário!

Sua casa fica a mil quilômetros da minha e viajo apenas pela melhor das razões.
E uma festa para Rae é a melhor e estou ansioso para estar ao seu lado.
Atentem como a partir daqui a obra começa a sair do real e visita literalmente as nuvens, e só quem abrir o coração para a poesia a entenderá!

Começo a viagem no coração do Beija-Flor, que há tanto tempo você e eu conhecemos. Ele se mostrou amigo como sempre, mas ficou espantado quando lhe disse que a pequena Rae estava crescendo e que eu estava indo à sua festa de  aniversário, levando um presente.
Voamos algum tempo em silêncio, até que finalmente ele disse:
— Não entendo muito bem o que você falou, mas o que menos entendo é o fato de estar indo a uma festa.
— Claro que estou indo à festa. — respondi. — O que há de tão difícil de se compreender nisso?
Ele ficou calado e só voltou a falar quando chegamos à casa da coruja:
— Podem os quilômetros separar-nos realmente dos amigos? Se quer estar com Rae, já não está lá?
— A pequena Rae está crescendo e estou indo à sua festa de aniversário com um presente. — falei para a coruja. Parecia estranho dizer "indo" depois da conversa com Beija-Flor, mas falei assim mesmo para que Coruja compreendesse.
Ela voou em silêncio pôr um longo tempo.
Era um silêncio amistoso, mas Coruja disse ao me deixar em segurança na casa da águia:
— Não entendo muito bem o que você falou, mas o que menos entendo é ter chamado sua amiga de pequena.
— Claro que ela é pequena, porque não é crescida — respondi. — O que há de tão difícil de se compreender nisso?
Coruja fitou-me com os olhos profundos, cor de âmbar, sorriu e disse:

— Pense a respeito.
— A pequena Rae está crescendo e estou indo à sua festa de aniversário com um presente. — falei para Águia.
Parecia estranho falar agora "indo" e "pequena", depois das conversas com Beija-Flor e Coruja, mas falei assim mesmo para que Águia compreendesse.
Voamos juntos sobre as montanhas, subindo nos ventos das montanhas.
E Águia finalmente disse :
— Não entendo muito bem o que você falou, mas o que menos entendo é essa palavra aniversário.
— Claro que é aniversário. — respondi. — Vamos comemorar a hora que Rae começou e antes da qual ela não era. O que há de tão difícil de se compreender nisso?
Águia curvou as asas para a descida e foi pousar suavemente sobre a areia do deserto.
— Um tempo antes de Rae começar? Não acha que é mais a vida de Era que começou antes que o tempo existisse?
— A pequena Rae está crescendo e estou indo à sua festa de aniversário com um presente. — falei para Gavião. Parecia estranho falar "indo", "pequena" e "aniversário", depois das conversas com Beija-Flor, Coruja e Águia, mas falei assim mesmo para que Gavião compreendesse.
O deserto se estendia interminavelmente lá embaixo e ele finalmente disse:
— Não entendo muito bem o que você falou, mas o que menos entendo é crescendo.
— Claro que ela está crescendo — respondi. — Rae está mais perto de ser adulta, mais longe de ser criança. O que há de tão difícil de se compreender nisso?
Gavião pousou finalmente numa praia deserta.
— Mais um ano longe de ser criança? Isso não me parece ser o mesmo que crescer.

E Gavião alçou vôo e foi embora.
Eu conhecia o bom senso de Gaivota. Voamos juntos, pensei com muito cuidado e escolhi as palavras, a fim de que, ao falar, Gaivota soubesse que eu estava aprendendo:
— Gaivota, por que está me levando a voar para ver Rae, quando na verdade sabe que estou com ela?
Gaivota sobrevoou o mar, as colinas, as ruas, pousou suavemente em seu telhado e disse:
— Porque o importante é você saber a verdade. Até saber, até realmente compreender, só pode demonstrá-la em coisas menores, com ajuda externa, de máquinas e pessoas e pássaros. Mas deve se lembrar sempre que não saber não impede a verdade de ser verdadeira.
E Gaivota se foi.

E agora é chegado o momento de abrir o seu presente. Presentes de lata e vidro amassam e quebram num dia, somem para sempre. Mas eu tenho um presente melhor para você.

É um anel para você usar. Cintila com uma luz especial e não pode ser tirado pôr ninguém, não pode ser destruído. Somente você, no mundo inteiro, pode ver o anel que lhe dou hoje, como fui o único que pude vê-lo quando era meu.

O anel lhe dá um novo poder. Usando-o, você pode alçar voo nas asas de todos os pássaros que voam.

Pode ver através dos olhos dourados deles, pode tocar o vento que passa pôr suas penas macias, pode conhecer a alegria de se elevar muito acima do mundo e suas preocupações. Pode permanecer no céu pôr tanto tempo quanto quiser, através da noite, pelo descer do sol; e quando sentir vontade de outra vez descer, suas perguntas terão respostas, suas preocupações terão acabado.

Como tudo o que não pode ser tocado com a mão nem visto com o olho, seu presente se torna mais forte à medida que o usa.
A princípio, pode usá-lo apenas quando está fora de casa, contemplando o pássaro com quem você voa.

Mais tarde, porém, se usá-lo bem, vai funcionar com pássaros que não pode ver, até que finalmente acabará descobrindo que não precisa do anel nem de pássaro para voar sozinho acima da quietude das nuvens.

E quando esse dia chegar, deve dar seu presente a alguém que saiba que irá usá-lo bem, alguém que possa aprender que as coisas que importam são as feitas de verdade e alegria, não as de lata e vidro.
Rae, este é o último dia especial de comemoração a cada ano que estarei com você, tendo aprendido com os nossos amigos, os pássaros.

Não posso ir ao seu encontro porque já estou com você.
Você não é pequena porque já é crescida, brincando entre suas vidas como todos fazemos, pelo prazer de viver.

Você não tem aniversário porque sempre viveu; nunca jamais haverá de morrer. Não é a filha das pessoas a quem chama de mãe e pai, mas a companheira de aventuras delas na jornada maravilhosa para compreender as coisas que são.

Cada presente de um amigo é um desejo de felicidade.
É o caso do anel.
Voe livre e feliz além de aniversários e através do sempre.
Haveremos de nos encontrar outra vez, sempre que desejarmos, no meio da única comemoração que não pode jamais terminar.

Foi daí que surgiu a primeira frase da Musica: “Longe”, composta por Victor, porém pra nós quando dito “Longe é um lugar que não existe..” (Richard Bach)...

É assim que se soma na vida do próximo, trazendo a ele viagens lindas, mas, acima de tudo incitando a pessoa a conhecer “vôos que nos levam ao conhecimento.”

Se você tirar algum proveito desta obra, considere seriamente a possibilidade de adquirir o original. Incentive o autor e a publicação de novas obras!

fonte: Wikipedia/ livro: Longe é um lugar que não existe.

LEIA MAIS

Rock Chick Reawakening (Rock Chick #0,5) - Kristen Ashley

Olá amores, estou de volta com a resenha de um livro super esperado e requisitado por nós leitores da Kristen Ashley, o livro contando a história de Daisy e Marcus. Quem já leu a série Rock Chick é bem familiar com esses dois, mas vamos recapitular?

Quando a série começou, eles já eram casados e sempre vimos Daisy expressar de maneira doce e carinhosa todo o seu amor por Marcus, e apesar de não termos muitas aparições dele durante a série, sempre, sempre pudemos ver o amor e cuidado que ele tem por sua amada, em todos os sentidos. 

Daisy é uma southern girl, ou garota sul do Estados Unidos e isso significa que você é uma lady, mulher que cuida da sua casa e família com zelo, sabe como receber e tratar bem as pessoas, anda sempre arrumada, e apesar de nunca ter tido esse exemplo em sua casa, soube absorver todos os ensinamentos de Miss Annamae - senhora para qual a mãe dela trabalhava. A sua infancia e juventude foram muito sofridas, mas Daisy queria uma vida melhor e assim que pode, mudou de cidade e acabou parando em Denver. Lá ela trabalhou em vários lugares, como vendedora de loja, caixa de supermercado até se tornar uma stripper - mas sem preconceito aqui, ela era uma das melhores - e encontrou a amizade preciosa de Smithie, o dono da boate. E assim, passou a viver melhor e começou a cultivar amizades.

Marcus sempre foi um mistério, empresário do submundo, super perigoso e temido, mas que quando viu Daisy pela primeira vez já sabia que ela era a mulher da sua vida, e ele fez TUDO pra conseguir conquistar a sua garota e da forma mais linda de todas.

Também durante a série nós descobrimos que Daisy foi estuprada uma noite quando saia do trabalho e que o carinho e atenção de Marcus foram essenciais para que ela se recuperasse e abrisse o seu coração para o amor. A gente só "escutava" pedacinhos da história deles, por exemplo, como Marcus, depois do acontecido, mandava um buquê de dayses todo santo dia pra ela. Ou então, quando ele mandou construir um castelo de verdade pra ela morar e também como ele saiu do sub-mundo e agora só trabalhava com coisas legais, só pra que nada de mal pudesse tocar em Daisy. Ah. isso não é lindo?! E agora nós podemos ler tudo isso na integra!!

A história deles é contada em uma novella, que é um formato de livro com menos páginas que um tradicional, mas KA conseguiu mesmo em poucos capítulos nos mostrar tudo o que precisavamos saber.

Como falei, não sabíamos muito sobre a história de Marcus, e aqui descobrimos que a infância dele foi parecida com a de Daisy, sem pai e nem mãe, ele foi criado pela irmã, que para sustentá-los também trabalhou como stripper. Vimos como ele também trabalhou desde cedo para ajudar nas despesas da casa e foi se tornando um gentleman - porque ele é fino, né minha gente! - , e batalhando - mesmo que a princípio por meios obscuros - para vencer na vida e retribuir todo o amor e cuidado que a irmã lhe deu ao crescer.

Outra coisa que eu amei foi ver como ele aceita e ama mesmo Daisy do jeitinho que ela é. Essa mistura louca de Dolly Parton e Peggy Bundy - olhem lá no google - toda espalhafatosa, mas com u coração enorme. E ela mesma fala isso pra ele, pois como já disse, Marcus é chique e fino, mas ele não tá nem aí, adora o jeitinho dela. E é lindo ver todo o cuidado e a paciência com que ele lida com ela, ajudando Daisy a se reerguer.

Rock Chick Reawakening é cheio de momentos emocionantes, que vai fazer você querer reler toda a série Rock Chick só pra matar as saudades desse povo maravilhoso. E olha, foi um alívio e alegria ver que mesmo depois de ter lançado vários livros mais ou menos - não posso mentir, né?! - KA nos brinda com essa novella, nos fazendo lembrar dos tempos gloriosos dos seus primeiros lançamentos.

Vale MUITO a pena, mas só vai entender quem já leu a série, e se você ainda não leu, corre logo, e aproveita que já tem alguns dos livros traduzidos em portguês por grupos de tradução. ;)

Nota: 5,0 estrelas

Rock Chick Reawakening - Kristen Ashley
Série: Rock Chick
Romance Contemporâneo
Lançamento: 03 de Janeiro de 2017
Skoob | Lista da série no Goodreads
Amazon 





LEIA MAIS

Fernando Pessoa

Toda a poesia - e a canção é uma poesia ajudada - reflete o que a alma não tem. Por isso a canção dos povos tristes é alegre e a canção dos povos alegres é triste.

Fernando Pessoa,
nasceu Fernando António Nogueira Pessoa  (1888 a 1935), foi um poeta e escritor português. Filho de Joaquim de Seabra Pessoa era funcionário público do Ministério da Justiça e crítico musical do Diário de Notícias. A mãe, D. Maria Magdalena Pinheiro Nogueira Pessoa era natural dos Açores (mais propriamente, da Ilha Terceira). Viviam com eles a avó Dionísia, doente mental, e duas criadas velhas, Joana e Emília.

Seu pai morreu, com 43 anos, vítima de tuberculose, o irmão Jorge viria a falecer no ano seguinte, sem completar um ano. A mãe vê-se obrigada a leiloar parte da mobília e muda-se para uma casa mais modesta. Neste período que surgiu o primeiro heterônimo de Fernando Pessoa, Chevalier de Pas, facto relatado pelo próprio a Adolfo Casais Monteiro, numa carta de 1935, em que fala extensamente sobre a origem dos heterónimos. Ainda no mesmo ano, escreve o primeiro poema, um verso curto com a infantil epígrafe de À Minha Querida Mamã.

Em 1895 a mãe casa-se pela segunda vez, com o comandante João Miguel Rosa, cônsul de Portugal em Durban (África do Sul).  Em 1899 ingressa no Liceu de Durban, onde permanecerá durante três anos e será um dos primeiros alunos da turma. No mesmo ano, cria o pseudónimo Alexander Search, através do qual envia cartas a si mesmo.

Em 1901, é aprovado com distinção no primeiro exame Cape School High Examination e escreve os primeiros poemas em inglês e aprendeu perfeitamente o Inglês, língua na qual escreveu poesia e prosa, desde a adolescência. Das quatro obras que publicou em vida, três foram na lingua inglesa.

Seus maiores contatos com a literatura inglesa ocorreu através de autores como Shakespeare, Edgar Allan Poe, John Milton,Lord Byron, John Keats, Percy Shelley, Alfred Tennyson, entre outros.
Fernando Pessoa foi um dos maiores poetas da Língua Portuguesa, e da Literatura Universal, comparado por vezes por Luiz de Camões...

Trabalhou ao longo da sua vida em várias firmas comerciais em Lisboa como correspondente de língua inglesa e francesa.

Empresário, editor, crítico literário, jornalista, comentador político, tradutor, inventor, astrólogo e publicitário, ao mesmo tempo que produzia a sua obra literária em verso e em prosa. Como poeta, desdobrou-se em múltiplas personalidades conhecidas como heterónimos, objeto da maior parte dos estudos sobre sua vida e sua obra. Centro irradiador da heteronímia, auto-denominou-se um "drama em gente".

Pessoa faleceu aos 47 anos, com diagnóstico de "cólica hepática" causada por cálculo biliar associado a cirrose hepática, diagnóstico que é hoje contestado por estudos médicos, embora o excessivo consumo de álcool ao longo da sua vida seja consensualmente considerado como um importante fator causal.

Alguns críticos questionam se Pessoa realmente teria transparecido o seu verdadeiro eu ou se tudo não teria passado de um produto, entre tantos, da sua vasta criação. Este fato é o que move grande parte das buscas para estudar a sua obra.

Interessante: Meses antes de morrer em 1935, Fernando Pessoa escreveu a um amigo: “não evoluo, VIAJO”. Por um lapso, ele tinha pressionado a trava das letras maiúsculas de sua máquina de escrever. “Está certo, e assim deixo ficar.”

Eu como admiradora, apaixonada incorrigível da obra de Pessoa e amante das entrelinhas poderia deixar muitos poemas, a duvida foi grande, eu indico: "Amei-te e por te amar..."
E deixo pra vocês: "Autopsicografia" (Talvez o causador das maiores dúvidas dos estudiosos de Pessoa)

O poeta é um fingidor.

Finge tão completamente

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,

Na dor lida sentem bem,

Não as duas que ele teve,

Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda

Gira, a entreter a razão,

Esse comboio de corda

Que se chama coração.”

Fonte: Internet e livro “Fernando Pessoa Poesias- livro III – 1931 a 1935

LEIA MAIS

Meu pâncreas não parou! Postagem Coletiva #52semanasdegratidão


Quando a Elaine Gaspareto me convidou para participar da postagem coletiva, eu fiquei pensando, do que falaria, não que não seja grata, mas, é uma responsabilidade que eu não esperava. Ainda mais na atual situação, que quem acompanha minhas crises de cefaleia sabem não são as melhores, então fiquei pensando uma semana e me dei conta que tenho tanto a agradecer... E percebi que na verdade essas postagem irão me ajudar muito a ter forças para continuar e, se ainda conseguir ajudar mais uma pessoa, eu já ficarei imensamente feliz!

Há 12 anos atrás eu entrei no consultória daquela médica completamente sem expectativa, afinal eu já tinha 30 anos e era apenas mais uma tentativa de emagrecer, a diferença é que daquela vez era o ápice da obesidade e ao olhar para aquela pessoa franzina eu já imaginava no sermão que ouviria... Só que ela falava manso e  muito ao contrario não criticou, não deu sermão, não foi arrogante... Mas ao me pesar o pânico foi meu, 135,800kg. Saí de lá com exames, dieta e muitas lágrimas...

Foram meses de tratamentos, remédios, exames! Descobri que eu era anêmica, apesar da obesidade... Tinha deficit de várias vitaminas e gripes, era praticamente uma seguida da outra. Fazia dietas, tomava muitos remédios para emagrecer, os que eu não podia comprar pois eram muito caros, essa médica que foi meu anjo, juntava as mostras grátis e me dava. Só que ao chegar ao consultório, eu eliminava 200 gramas. Terapias, grupos de ajuda, caminhadas e nada ajudava... Nada fazia o peso diminuir, só que ao invés de duvidar de mim e/ou desistir ela investigou... Felizmente a tempo descobrimos que eu tinha um problema no pâncreas, uma produção inaceitável de insulina. era algo tão absurdo que se ele continuasse trabalhando daquela forma, em 02 ou 03 anos ele poderia parar!


Receber aquele diagnostico foi muito assustador, mas, ao mesmo tempo era a chance de conseguir fazer algo pela minha saúde. E a solução? Fazer a gastroplastia, a temida redução de estomago. Sim! Temida. Hoje é normal, há quem engorde para operar, mas se pensarmos em 10/11 anos atrás nós fomos as cobaias, era tudo muito experimental, não nego que emagrecer era meu objetivo, mas os casos de complicação me assustavam muito.

Travamos uma guerra com o plano de saúde de meses! Precisei perder 12 kg para eles liberarem a cirurgia. Foram dias muito difíceis. Após a cirurgia, UTI. 09 meses depois voltar ao Centro Cirúrgico para dilatar pois fechou a passagem do estomago para o intestino.

(aqui antes e na outra depois, todo cabelo caiu devido a subnutrição e eu tive que usar aplique)

Hoje eu tenho muitas reservas com os efeitos colaterais dessa cirurgia e continuo achando que ela é o ULTIMO estágio na vida de um obeso, pois obeso, obeso sempre! Dieta sempre, exercício sempre, comeu, engorda! Mas, ela me ensinou que estética não significa nada se você perder a saúde. Hoje eu quero saúde, emagrecer se der, mas saúde é fundamental!

(hoje)

Sou grata, a vida que me permitiu o tempo certo para continuar aqui cuidando de quem amo, a Dra. Maricy Menegon, que não achou que eu não fazia as coisas certas e nunca desistiu de mim, a minha mãe que teve toda paciência do mundo para cuidar de mim no pós cirúrgico. Sou grata a Deus, que permitiu o diagnóstico a tempo e hoje ter um pâncreas que funcione normalmente, por ser esse pai misericordioso mesmo que eu não mereça e tenha me feito entender, que o peso não me faz incapaz, imperfeita e menos humana que as outras pessoas. Sou grata a Elaine que me convidou para contar um pouco de mim. #aindasoufofolete #sereisempre #meaceito #3digitosnuncamais #lutandotododia #gordinhasaudavel #oimportanteetersaude #amese #vcelindocomoe #52semanasdegratidão


LEIA MAIS

O fim da dor

"Amadurecer e sorrir na frente de uma pessoa que te fez chorar..."

Quando estamos mergulhados na dor, seja qual seja essa, nunca achamos que vai passar...

Entendo hoje porque dizem que “o tempo é o senhor da razão...”, pois tudo sara, tudo passa e dizem os mais brincalhões, “até uva passa”!

Existem coisas na vida que nós passamos e só nós sabemos como é difícil passar. É quase impossível pensar em uma saída, um respiro, um olhar de esperança quando a dor dói demais. Eu hoje acredito que a dor deve ser vivida, sentida, chorada, sofrida. Para mim, isso é respeito por si mesmo. E com o tempo as coisas chegam devagar. Um novo interesse, ou um velho! Pode ser uma pessoa ou algo que lhe preencha a vida. Coisas que antes eram comum como leitura, escrita, voltam a dar sinais, é o começo do fim da dor...

Logo, o ser humano como todo animal reage em defesa, e há quem diga que a melhor defesa é o ataque, mas, às vezes é o silêncio, o escuro, o choro... Porque alivia a alma, as lágrimas regam a emoções ressecadas pela inanição e desprezo.

Até que, toda dor se transforma e o tempo é necessário para entender que não se esquece, as coisas que acontecem na vida deixam marcas, cicatrizes, mas o olhar positivista nos faz entender que não é ruim e sim um momento vivido, que poderemos lembrar, com tristeza ou com um sorrisinho de felicidade verdadeira, mas, ajudou a constituir a nossa história mais interessante.

Há quem possa contar para outras pessoas e usar como experiência e exemplo, para o bem ou não.

Ou então guardar bem guardadinho no coração, só para você, pois é algo tão bom, tão lindo, momentos inesquecíveis que dá ciúmes de dividir. Então, entendemos que tudo contribui para o bem no final, embora muitos de nós não repetiríamos!

Não existe na vida, dor que dure pra sempre (sábio ditado popular). Nem tudo é para destruir, aliás, poucas coisas são... Mas, o fato é que nada é nosso como achamos por vezes. São empréstimos de Deus!

ELE nos empresta pessoas por um período para nos ensinar coisas da vida, assim como também nos usa para que outros aprendam e quando já se é tempo, ele nos tira e, as vezes dói, mas nenhum pai deseja o mal do filho, e as vezes o “não” é necessário para um final saudável.

Retornando da dor a gente é muito sensível, como um machucado recente, uma queimadura, a gente tende a não confiar em nada e em ninguém... Mas, já podemos olhar, admirar, sorrir e “quando a saudade doer e a solidão machucar”, como diz a musica, a gente relembra, mas daí com um sentimento diferente. Saudade boa, de momentos que jamais serão esquecidos.
Pessoas especiais jamais serão esquecidas. É importante que todos tenham consciência disso, pois toda pessoa que você se envolver terá momentos bons pra lembrar e isso não pode ser um peso, mas motivo de respeito e admiração, pois essa pessoa soube viver!

Só não precisa e nem deve contar. Em segredos íntimos só cabe uma pessoa.

LEIA MAIS

Cecília Meireles


1901-1964
Poetisa e jornalista. 

Uma das maiores escritoras brasileiras com mais de 50 Obras publicadas, alem disso foi professora de línguas, literatura, música, folclore e teoria educacional.




Na profissão publicava matérias sobre problemas na educação e por esse interesse foi fundadora da primeira biblioteca infantil em 1934. Seu interesse pela educação e pelas crianças fez com que tivesse um grande reconhecimento na poesia infantil.

Com o livro “A Viagem”, em 1939 ganhou o Prêmio de Poesia da Academia Brasileira de Letras.

“Tenho fases como a lua; fases de ser sozinha, fases de ser só sua.

“Aprendi com as primaveras a me deixar cortar para voltar sempre inteira.”

“Há pessoas que nos falam e nem as escutamos, há pessoas que nos ferem e nem cicatrizes deixam, mas, há pessoas que simplesmente aparecem em nossas vidas e nos marcam pra sempre.”

Serenata

“Permita que eu feche os meus olhos,
  Pois é longe e tão tarde!
  Pensei que era apenas demora,
  E cantando pus-me a esperar-te.
  Permita que agora emudeça:
 Que me conforme em ser sozinha.
 Há uma doce luz no silencio e, a dor é de origem divina.
 Permita que eu volte o meu rosto para o céu maior que este mundo,

E aprenda a ser dócil no sonho, como as estrelas no seu rumo.”
LEIA MAIS

O contrário do medo


Talvez, em alguns momentos possa parecer até que o medo vai tomar conta e esses pedacinhos de lembranças sumirão, mas não tema, você os tem, não há como mudar isso.

Na verdade até tem como mudar, depende da forma que vamos cuidar deles, dos pedacinhos de amor.

Sem medos, sem receios, porque afinal, não se pode ter medo, de quem ou do que se ama...

Como podemos saber onde ele nos levará, sem permitir que ele verdadeiramente nos leve?

Hoje, desejo simplesmente o contrário do medo…

A ousadia de sair por aí, pés no chão, sem medos de pisar nas pedras, que por vezes dói, mas não chegaremos a lugar nenhum sem alguma dor...

Correndo e sentindo o vento na cara, despenteando o cabelo que livremente se joga pra lá e pra cá, podemos cair, sim! Mas podemos rir disso, embora os arranhões ardam, a gente lava, passa uma pomadinha e continua, afinal que graça tem a vida sem a leveza de saber que é  transpondo barreiras que se conquista as coisas e quem sabe por uma sorte no destino ou uma brincadeira do universo a gente não se esbarra por aí...

Afinal já esta comprovado que um raio caí duas vezes no mesmo lugar e, mesmo que ninguém comprovasse eu sou daquelas que acredita na força do pensamento e o meu... Ah, nem preciso explicar...

LEIA MAIS

Os melhores livros de 2016

Olá meus amores, feliz ano novo!!

Mais um ano que se inicia e com ele vem também um monte de novas leituras maravilhosas, e olha que 2017 promete! Mas antes, quero compartilhar com vocês os livros que eu mais gostei em 2016. Eu não sei vocês, mas amo essas listas, pois acabo descobrindo vários livros novos e eu espero que vocês gostem também. A lista abaixo não está em nenhuma ordem particular.



Chase Me by Laura Florand - Não é nenhum segredo que Laura Florand é uma das minhas autoras favoritas. Os livros dela se passam na França e são tão românticos! Chase me é o segundo livro da série Paris Nights e conta a história de Viollete e Chase, uma chefe de cozinha e um soldado de elite anti-terrorista. Duas pessoas super diferentes, mas fortes, resilientes e que no fundo são tão sensíveis, que não tem como não se apaixonar. Ah, uma das melhores coisas desse livro são os diálogos entre os dois, maravilhosos e super divertidos!



Earth Bound by Emma Barry & Genevieve Turner - Se eu tivesse que escolher, talvez diria que esse foi o melhor livro que li no ano passado. Conta a história de dois engenheiros da área espacial, Charlie e Parsons, e se passa nos anos 60 na época da corrida para chegar na lua. Charlie é uma profissional excelente no seu campo de trabalho, mas tem dificuldades de se impor em um ambiente dominado por homens. Mas ela não passa desapercebida por Parsons, o seu chefe, ele vê e valoriza o seu brilhantismo, e é claro que eles acabam se envolvendo, mas o relacionamento é complicado, arriscado, mas também tão cheio de sentimento e romantismo. Super sexy e com um texto maravilhoso. Excelente! Aliás, toda essa série - Fly Me To The Moon - é muito boa.


Steadfast by Sarina Bowen - Esse é o segundo livro da ótima série True North, a Sarina Bowen faz um excelente trabalho escrevendo sobre temas sérios, mas de uma forma leve, cheia de amor e compreensão. Os protagonistas de Steadfast, Jude e Sophie, tem uma longa e triste história de amor e convivência, que foi destruida no dia da morte do irmão de Sophie. Jude estava no carro junto com o irmão da nossa mocinha, e foi acusado como o culpado da morte dele. Esse evento destruiu a vida dos dois. Jude, que já tinha histórico de uso de drogas ficou preso por vários anos. A família de Sophie se desintegrou, a relação com o pai dela que já era dificil, ficou impossível e a sua mãe quase que só vegeta de tanta dor pela morte do filho. Imagina o que acontece quando Jude sai da prisão e eles se encontram novamente! Belíssima história de redenção e de cura pelo amor. Jude é um guerreiro e amei ver ele vencer a luta contra as drogas e ainda conseguir o seu amor de volta.

Going The Distance by Julianna Keyes - Outro livro ambientado em um lugar super diferente, Lazhou, uma cidadezinha no interior da China. Olivia, uma professora do ensino infantil, precisando de um escape da sua complicada vida nos EUA, se inscreve em um programa de intercâmbio para professores para ensinar inglês lá por 6 meses. Sem saber a língua local, fica quase impossível fazer amizades, e ela se resigna a viver solitariamente. Mas um dia, ela se encontra com Jarek, um interrogador do exército aposentado que agora trabalha como carpinteiro em vários lugares do mundo. Ele também vive sozinho, mas ele gosta de viver assim, e depois de várias decepções, não quer nem saber de procurar um amor. Mas o coração tem seus próprios planos e ele dois acabam se apaixonando, mas eles são muito fechados e não sabem como se abrir um para o outro, e por causa disso, se machucam demais. Ah, como foi sofrida essa relação, mas também é lindo ver eles vencer seus medos e correr atrás do que pode ser um amor pra toda vida.

The Hating Game by Sally Thorne - Esse livro concorre pau a pau com Earth Bound como meu preferido do ano passado, mas enquanto E.B. tem um tema mais sério, The Hating Game é pura comédia romântica. Lucy e Josh trabalham no mesmo escritório e são meio que inimigos um do outro, mas lá no fundo eles se gostam, mas não sabem passar dessa rixa que já dura anos. Ah, que delicia de história e de casal. A dinâmica dos diálogos entre esses dois é hilária e aos poucos eles vão se conhecendo mais e se abrindo um pro outro, fofos até morrer. Mas não se engane, esses dois são complicados e o "felizes para sempre não" vem tão fácil assim não. Eles duvidam tanto de si mesmos - culpa das famílias doidas dos dois, principalmente a de Josh - mas claro que no final tudo dá certo. Esse livro é o primeiro lançamento dessa autora e ela já virou febre na gringa, estamos todos no aguardo do novo livro dela agora em 2017!

The Catching Kind by Caitie Quinn - Outro livro da série fofos de 2016. Eu revisei ele aqui no blog, mas não custa relembrar-mos um pouquinho a história de Hailey e Connor. Ela uma autora super timida e ele uma estrela do baseball que está com problemas de imagem. Pessoas extremamente diferentes que aos trancos e barrancos, são obrigadas a fingir estar em um relacionamento que aos poucos vai virando de verdade. Essa história é o que chamamos de slow-burn romance, em que os protagonistas só vão engatar o relacionamento amoroso lá pra segunda metade do livro, e eu amo esse tipo de história porque dá tempo para os mocinhos realmente se conhecerem e começarem a se amar não só pela aparência, mas por aquilo que está dentro deles, suas virtudes e seus defeitos. E em The Catching Kind, os protagonistas são cheios de defeitos - assim como todos nós na vida real - mas descobrem que eles podem se completar e que é muito melhor estar com alguém que te ama apesar dos teus defeitos, do que com alguém que pensa que te ama só pelas suas qualidades. Vale muito a pena ler!

Managed by Kristen Callihan - Em 2016, Kristen lançou uma nova série - VIP - tendo como protagonistas uma banda de rock chamada Kill John, eu gostei demais do primeiro livro Idol, mas o segundo livro, Managed, arrebatou meu coração. Ele conta a saga de Gabriel Scott - ou Scotty para o mundo - empresário da banda e Sophie Darling, pessoa contratada para cuidar do markerting e redes sociais da banda. Gabriel é o que você pode chamar intocável, tendo uma infância e adolescência bem dificil, ele conseguiu dar a volta por cima e se tornar um dos empresários mais bem sucedidos do seu ramo. Já Sophie é o completo oposto de Gabriel, super exulberante, estilosa e plus-size. Eu AMEI ela de paixão. Eles dois se conhecem de maneira bem incomum, no avião, onde Sophie ajuda Gabriel a vencer o seu medo de voar. Amei ver Sophie quebrar todas as barreiras do Gabriel, que normalmente é tão fechado e guarda tudo dentro de si, mas ela vê não o Scotty que o mundo é acostumado a enxergar, ela vê o Gabriel e é um charme só! Se você ama os livros da Kristen, você vai amar a série VIP.

The Spire by Kate Canterbary - De todos os livros listados neste post, The Spire é o único que não dá pra ser lido como um stand-alone, sendo o 6º livro da The Walsh series, você obrigatoriamente vai ter que ler os outros livros que contam a história dessa familia maravilhosa - nossa que chato, né?! =D. Finalmente temos a chance de conhecer a tão aguardada história da irmã desgarrada da família, Erin e o porquê da sua rixa com a sua irmã mais velha, Shannon. Tudo é explicado e resolvido super bem, mas o que rouba a cena é o relacionamento maravilhoso, confuso e sofrido de tanta distância e saudade entre Erin e Nick. Você sabia que dá pra se casar e viver separados por quase 2 anos e o casamento ainda "funcionar", pois é, esses dois fazem acontecer e ainda escondendo tudo das suas famílias - aliás, menos de Riley, porque ele sabe tudo de todos. Ai, mas é sofrido, mas super lindo e no final vale a pena demais! O livro da Shannon, continua meu favorito, mas esse vem em segundo lugar e agora eu mal posso esperar pelo livro de Riley!!


Until I'm Yours by Kennedy Ryan - Esse foi o último livro que li em 2016 e eu não poderia ter fechado o ano de melhor forma. História intensa, com muita emoção, mas com muito amor e com um mocinho que acredita e luta com unhas e dentes por sua princesa. Aqui temos a história de Sofie Baston e Trevor Bishop. Ela uma supermodel intocável, conhecida por ser uma bitch e não se importar com ninguém a não ser ela mesma. Ele um empresário super bem sucedido, conhecido por seu trabalho humanitário e coração de ouro. Desde o primeiro instante, Trevor percebe que Sofie é muito mais que um rosto bonito e que ela tem sim alma e um coração que vale a pena conhecer, o problema é que Sofie já foi tão abusada - fisicamente e emocionalmente - por pessoas e pelo seu próprio pai, que ela mesma acha que não tem mais coração e nem direito de amar e ser amada. Mas Trevor não desiste, nem quando Sofie faz de tudo para afastá-lo e o que esses dois constroem é tão precioso! Sofie é muito forte, e dá um super exemplo em contar a sua história de abuso para ajudar outras pessoas. É emocionante, mas a autora conseguiu mesclar o tema sério com a leveza e o humor do Trevor. Depois que terminei a leitura passei uma semana inteira relendo minhas partes favoritas, me marcou muito e recomendo demais!

E é isso! Espero que tenham gostado e oh, cada um desses livros vale super a pena ler, tenho certeza que eles vão deixar o seu inicio de ano ainda mais lindo.







LEIA MAIS

Drummond o Primeiro grande Poeta!


Oie amoras!!!

Nesse mês de Janeiro, mês das férias, vamos todas as quartas-feiras e domingos, postar pequenos históricos dos Grandes Poetas da História, de acordo com o que temos de seus históricos na internet, eu amo falar de poesia e conhecer mais da intimidade desses seres tão sensíveis e vai ser um prazer dividir isso com vocês. Espero que gostem, hoje vamos começar com Drummond, boa leitura!









Drummond
Conhecido pelo jeito irônico o poeta mostra em cada frase, texto e poema sua personalidade:

“No adultério há pelo meso três pessoas que se enganam.”

“Os homens se distinguem pelo que fazem, as mulheres pelo que levam os homens a fazer.”

“Há certo gosto em pensar sozinho. É ato individual, como nascer e morrer”

“Como as plantas, a amizade não deve ser nem pouco nem muito regada”

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)

Nascido em Itabira do Mato Dentro/MG, Drummond era de uma família de fazendeiros em decadência, estudou em Belo Horizonte e no Colégio Anchieta de Nova Friburgo/RJ, de onde foi expulso por “insubordinação mental”.

Começou sua carreira como escritor em Belo Horizonte, como colaborador do Diário de Minas.
Diante da insistência familiar para que obtivesse um diploma, formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925;

1930 – Primeiro Livro de Drummond “Alguma Poesia”, em 1934 “Brejo das almas” em que o poema piada e a descontração sintática pareciam revelar o contrário do modernismo.
Drummond ironizava os costumes e a sociedade, asperamente satírico, com seu amargor e desencanto.

Com outros escritores fundou “A revista” que apesar da vida curta, foi importante veiculo de afirmação do modernismo em Minas. Ingressou no serviço publico, em 1934 transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi chefe Gabinete do Ministro da Educação até 1945. Depois passou para o Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Em “Sentimento do mundo”(1940), em “Jose”(1942) e sobretudo em “A rosa do povo” (1945), Drummond lançou-se  ao encontro  da história contemporânea.

Em 1953  começou a colaborar como cronista no “Correio da Manhã”.

Várias obras do Poeta foram traduzidas para o espanhol, inglês, Italiano, francês, alemão, sueco,  tcheco e outras línguas. Drummond foi seguramente por muitas décadas o poeta mais influente da literatura brasileira em seu tempo, tendo também publicado vários livros em prosa.
Em contra mão traduziu vários autores estrangeiros como: Balzac e Molière;

Aposentou-se  em 1962.

Em 1969 participou do Jornal do Brasil, ainda como cronista!

Em 1987 morreu no Rio de Janeiro. Drummond foi  alvo de admiração irrestrita, tanto pela obra, como por seu comportamento como escritor.
Como admiradora da obra de Drummond, deixo aqui a minha preferida: “José”

JOSÉ

Carlos Drummond de Andrade

"E agora, José? 
A festa acabou, 
a luz apagou, 
o povo sumiu, 
a noite esfriou, 
e agora, José? 
e agora, Você? 
Você que é sem nome, 
que zomba dos outros, 
Você que faz versos, 
que ama, proptesta? 
e agora, José?

Está sem mulher, 
está sem discurso, 
está sem carinho, 
já não pode beber, 
já não pode fumar, 
cuspir já não pode, 
a noite esfriou, 
o dia não veio, 
o bonde não veio, 
o riso não veio, 
não veio a utopia 
e tudo acabou 
e tudo fugiu 
e tudo mofou, 
e agora, José?

E agora, José? 
sua doce palavra, 
seu instante de febre, 
sua gula e jejum, 
sua biblioteca, 
sua lavra de ouro, 
seu terno de vidro, 
sua incoerência, 
seu ódio, - e agora?

Com a chave na mão 
quer abrir a porta, 
não existe porta; 
quer morrer no mar, 
mas o mar secou; 
quer ir para Minas, 
Minas não há mais. 
José, e agora?

Se você gritasse, 
se você gemesse, 
se você tocasse, 
a valsa vienense, 
se você dormisse, 
se você consasse, 
se você morresse.... 
Mas você não morre, 
você é duro, José!

Sozinho no escuro 
qual bicho-do-mato, 
sem teogonia, 
sem parede nua 
para se encostar, 
sem cavalo preto 
que fuja do galope, 
você marcha, José! 
José, para onde?"

Fonte: www.releituras.com/ wikipedia/ pensador/noticia.universia.com/ livro “Os cem melhores Poemas Brasileiros do século”

LEIA MAIS

Amor platônico...


Existem amores que precisam de contato, em que tem que existir o toque...

...há amores que necessitam atenção, pegada, transação.

Há amores que necessitam de dedicação exclusiva, total, exagerada, declarada, provada a cada segundo!

E existem amores que necessitam de espaço, tem amores que precisam ser vividos a distância...

...eu sempre achei os amores platônicos os mais bonitos, os mais “amores pra valer”!

Um amor onde só um vive toda magia, muitas vezes sem o outro sequer saber... Hoje chamam de "Crush", rs

Mas, esse amor não espera retorno, não! Quem ama assim, é feliz por amar, mesmo que o outro não saiba!

Nos dias de hoje onde se valoriza tanto o contato físico, isso deve ser maluco, louco, ou lindo!

Poucas pessoas terão a sensibilidade para entender um amor como esse.

Mas é assim que tem que ser meu amor por você...

...eu não sei em que se baseia um amor assim (talvez no medo de conhecer, de entender, ou simplesmente medo de quebrar a magia), porque quando a gente vive, divide com a pessoa um sentimento é tão bom, né? Mas existem amores que são maravilhosos por si só! E, aí fica complicado explicar... mas, eu sou assim, falo de você, leio a seu respeito, pesquiso você, seu olhar, seu sorriso, cada gesto seu, e quando eu estou no mais perto eu interpreto cada um de seus olhares, quando você olha pra alguém de forma firme... eu estudo você, fico horas observando cada foto, eu estudo, analiso o olhar... cada letra, cada anotação... cada acorde!

Seja como for, eu preciso ficar longe, viver e dividir suas vitórias, ver muitos rostinhos felizes aqui e ali... Eu preciso te ver e te amar de longe, cá no meu cantinho, no meu mundinho onde você as vezes nem sabe que eu estou, eu gosto de ficar quieta olhando você, ou curtir e me acabar e depois passar a semana rindo sozinha e feliz!

No meu amor não em espaço para ciúmes, rejeição, não cabe egoísmo, e acima de tudo tem respeito...

...mas não pense que ele é menor que os outros, não, não é... ao contrario, ele é tão GRANDE que tem medo de ser exaustivo e cansativo e assim sendo perder a graça!

Se algum dia, por algum motivo você tiver curiosidade de saber a quantas anda esse amor, "mande uma estrela avisar", então você saberá que ele esta no grau mais elevado. E, vez por outra quem sabe você sinta a energia desse sentimento e nossos olhares se encontrem em meio a multidão.

Nossa energia será sempre sentida num grito silencioso de amor presente, presente!



LEIA MAIS

Haverá um filme ou série de televisão Crossfire?

                                                                      18

Depois de tanto "diz que me disse", fomos atrás  da Fonte no site da Sylvia Day e a nota oficial traduzida  é essa. Ah gente é triste né, a gente esperando com tanta vontade, mas também,  desde 2013...
Veja a nota:

"A Lionsgate adquiriu os direitos da saga Crossfire em 2013 e renovou a obtenção dos mesmos por duas vezes. Depois de três anos de desenvolvimento, Sylvia recusou a renovação do contrato novamente e ela atualmente mantém os direitos de adaptação. Ela eventualmente espera encontrar o parceiro certo, mas por enquanto, a série Crossfire não está mais em desenvolvimento."

Para vcs verem a quantas andava... É como bate uma ansiedade vou postar um vídeo  para vocês,  vamos morrer de ansiedade!

Tradução da nossa queridíssima Gisele Pinheiro,  fonte Clique Aqui
LEIA MAIS

O valioso tempo dos maduros


"(...) Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.

As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

"Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.

As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos.

O meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...

Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, que não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,

O essencial faz a vida valer a pena.

E para mim, basta o essencial!"

(Mario de Andrade)

Durante as férias, vamos fazer um passeio pelas obras de grandes poetas do mundo, pelas suas indignações e muitas vezes formas ácidas de escrever, embutindo em seus escritos críticas ferrenhas à politica, ou a ditadura da época, por isso os textos virão em suas versões originais, sem correção ortográficas para a nova versão. Acho interessante demais verificar que nem tudo era apenas romance, havia muito de envolvimento, indignação e protesto, espero que gostem, hoje começamos com Mario de Andrade. Amo muito isso!
LEIA MAIS

Meu bem...


Hoje eu vivo das lembranças lindas e da esperança que um dia o ‘conto das conchas que não sofrem’ vire realidade... Com todas as perolas que todo ser humano tem direito!

Não é fácil...

Viver regando um jardim, que às vezes tem tantos espinhos ferindo nossos pés...

Num caminho onde quase tudo é ilusão, é areia movediça... Porém, acredito nos verdes faróis que eu olhei tão de perto e neles pude enxergar VERDADE!

Passando por cima de orgulho, de sentimentos que jamais imaginei... Deixando o vento me levar por terras que jamais imaginei passar, de forma que nunca admitiria. Por amor!

Não sei o que será, nem como... Mas, eu creio e você?

Seja como for, seja o que for, estou aqui, estarei eternamente...

Um dia eu disse: “Se não pode me fazer voar, não tire meus pés do chão...”

Depois de tudo e por tudo, hoje eu digo: “Já que quer ir vá e me faça um favor... Seja feliz." Pois pessoas com sentimentos tão reais, viscerais, presentes, vivos, desejam o bem... O bem até que não se tem... Desejo a você tudo de lindo, meu eterno bem, bem querer, bem viver, bem saber...

LEIA MAIS

Saiu trailer Novo de 50 tons mais escuros!


Ao que tudo indica, em fevereiro teremos Grey de tirar o fôlego em "50 tons mais escuros" no Valentine's Day! Confira o trailer abaixo.
Video: canal grupo 50 tons de cinza
LEIA MAIS