Estações

em 23 de outubro de 2016

´

Já faz tempo incalculável para o meu coração que você saiu... Entendi que novos ares fazem bem a alma, mas, já passaram alguns invernos e eu imaginei que como bom selvagem indomável você tinha ido à busca de um bom abrigo quente. Atribui isso a uma boa fogueira, vela, essas coisas que lhe atraem e, isso houvessem aprisionado seu coração.

Passou a primavera e eu esperei o retorno “pra casinha”, mas não aconteceu... Com a chegada do verão, para não ser fraca eu disse a mim mesma que havia se abrigado a sombra de uma árvore, daquelas de folhas novas, verdes e brilhantes, bem viçosas com sombra e vento fresco... Mas ainda carregava a esperança que era mais uma estação, que a qualquer momento a porteira iria abrir e você iria chegar, com olhar de orvalho, sorriso de hortelã e abraço quente...

Foi um duro verão escaldante de decepções.

E... Esperei pelo outono... Cabeça de tinta fresca... Pensava que como as folhas caídas diante da porta, eu encontraria seu cheiro de café em um amanhecer... E se passaram mais outras estações e nem a janela eu conseguia abrir, olhar o horizonte e não escutar sua voz num acorde em dó.

É essa uma mensagem de fumaça soube do distanciamento, das palavras duras, do descredito, das revoltas. Esse nublado ‘afumaçado’ de enganos, erros e dores te fizeram perder o rastro do caminho de volta.

É preciso que saiba que uma nova primavera se aproxima e os botões já se formaram para florescer... Tem flores de todas as cores se preparando para as boas vindas. Tem arco íris. Super lua, tem lagartas que já estão quase prontas para voar... Tudo pronto para te ver chegar...

Da cepa brotou a rama e abraçou aquele banco, onde você sentava e observava o mundo, para descrevê-lo em trilha sonora inigualável...

Está tudo pronto, violetas e jasmins decoram a beirada do rio, que você chamou de inspiração. Gérberas e lírios fizeram fila, conduzindo da porteira a porta do amor que nada cobra e as orquídeas se enlaçaram no batente, para sorrir ao sentir sua respiração.

Dissipa essa fumaça, abre o sorriso, olha o risco no horizonte com sentimento e vai ver as nuvens rosadas do fim da tarde as andorinhas que estão guiando as abelhas que estão voltando para polinizar, segue esse caminho com ânimo e coragem... Segue com fé que os braços estarão abertos para o reencontro de você consigo.


0 comentários :

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário, é muito importante para nós!