O Rei” - J. R. Ward

em 8 de agosto de 2014



Olás amoras!!!

Demorei né? Eu sei... Mas olha vivi uma relação de amor e ódio com Wrath, filho de Wrath... Daí eu tinha ódio da sua falta de atitude e parava de ler, porque eu nunca vi esse Rei Guerreiro tão bundão, desculpem, mas essa é a definição mais suave! Eu parava de ler e ficava remoendo a história, pensando que o livro devia se chamar “A Rainha”... Bem, mas seja como for...

Vida longa ao Rei!

Resenha:

O livro conta desde o nascimento de Whath, não ele vai além, ele conta como se deu o acasalamento de seu pai (Wrath Pai), sua paixão instantânea pela sua Anha. Essa parte é interessante, mostra como seu pai se tornou um guerreiro, para defender e vingar sua esposa e honrar sua linhagem.
Em contrapartida, Wrath o Rei cedo, se mostra um vampiro entediado com os afazeres de Rei da raça, dá até pra entender Xcor, juro!

 Sinceramente Ward (a autora) judiou da nossa paciência!

Um guerreiro sem atitude, inerte, entregue, sem atitude, sem vontade, sem argumentos, sem brilho, sem coragem, sem NADAAAAAAAAA!!! Eu já estava no limite da tolerância, quando Beth (Rainha Mestiça), entra na jogada, ela sim é a guerreira dessa história. Lutou bravamente pelo que desejava e o que ela desejava? Um filho! Um desejo tão feminino, tão sublime e tão doce, mas, que culminaria com a perda do trono do Rei Cego. Daí ela começa uma busca incessante pela recuperação do trono do seu grande amor, seu hellren, ainda que para isso ela precise se divorciar dele, mesmo grávida. Oh orgulho dessa mulher porreta, como diria a Darling!

Por outro lado, Xcor, oh decepção de Guerreiro do Velho Mundo! Além de desistir do seu objetivo (ainda que seja pelo amor que invadiu seu peito), ainda foi numa loja de departamentos de vestir como um almofadinhas, hahhaha! Valeu pelas risadas... E, Throe, falso bonzinho, irritante!

Outra coisa mal contada e mal alinhavada foi o amor de Sola e Assail, gente!!! Que absurdo... Quer dizer que a mulher da vida dele foi embora e tudo bem? Ah vah Ward! Sem contar em TreZ e Selena. E iAn? (Gente tem um segredinho de iAn) Ah por favor, por favor...

A passagem do meu guerreiro preferido nesse livro “Z”, foi tão rápida, mas muito definitiva.

Outra surpresa boa é Abalone, membro da Glymera, que mostra sua fidelidade ao Rei e acaba por receber um titulo nobre, o primeiro do Rei Cego. É ele quem muda tudo e coloca enfim o Rei em contato com seu povo, por indução de quem, da grande Rainha (SQÑ) Mestiça Beth.

Sobrou um monte de pontas a serem ligadas, as convulsões de John... a situação de Trez, e até o Deus do sexo S'Ex, (homem é tudo igual, até vampiro, oh derrota!) E Layla e Selena, sem falar do pobre Primale que tudo acontece as suas costas, ah, a mãe da raça, Virgem Escriba se aposentou e ninguém falou nada?

Ward, isso só pode ser uma jogada para render outros livros, né?


Mas, umas coisas não posso negar, é um livro que encantará a pessoas que não são apegadas aos detalhes como eu, ou que irão ler, sem ter lido toda a saga dos outros 11 livros com a história dos guerreiros da irmandade, especialmente no final, quando por fim, Wrath toma a rédea da vida de sua família, da um chute na bunda da glymera e resolve viver... Então é o lindo e fofo LW quem mostra através de seus olhos o que o povo deseja.

Ah, eu não disse quem é LW? Ah, eu preciso dizer que eu não disse a maior parte das coisas que essas 400 e tantas páginas nos reservam. Afinal eu não cometeria esse crime!

Só que chorei, ri e ri muito, a ponto de minha mamis vir ver o que era, xinguei, fiquei p. da vida, fui dormir muito brava e acordei pior, ou seja, tem muitas perguntas que eu desejo respostas, mas se não fosse assim, não seria J. R. Ward! Vale a pena ler, tem meu aval!



0 comentários :

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário, é muito importante para nós!