ABANDONADA EM TEUS BRAÇOS - Loretta Chase By Déia

em 9 de junho de 2014

Bom, comentava eu com a Gisele Pinheiro o quanto “A Culpa é das Estrelas” tinha me tocado e eu chorado e ela me disse, “... vou te mandar um livro honey, leve, que vc vai rir e vai adorar...”, sinceramente eu comecei a ler pela consideração que eu tenho a essa amiga linda, mas, sinceramente me apaixonei por ele, pelo gênio difícil e pelas barreiras ultrapassadas por esse ser tão complexo que é Lorde Dain. (Oh pessoa pra gostar de gente complicada, hahaha).

Obrigada Gisa, por mais esse presente em forma de leitura. E já aviso, eu quero outras indicações assim...


Abandonada em Teus Braços 
(Loretta Chase)

Sebastian Guy do Ath Ballister, Conde de Blackmoor, ou simplesmente Lorde Dain... Essa criatura me fez rir, a começar pelo jeito malvado de descrever essa criança desde o nascimento, eu ria da maldade pura da autora descrever uma criança, ou um demônio como ela mesma disse. Mas o fato é que a vida desse criatura que desde tão cedo foi rechaçado, pela sua fisionomia, com ênfase no nariz!

Lorde Dain venceu todas as humilhações, mas não a dor de ter sido abandonado pela mãe, a quem nutriu tanto ressentimento... Os estragos da forma como seu pai explicou a ausência de sua mãe, a única pessoa que demonstrava algum sentimento por ele, fez de Dain um homem agressivo, possessivo, duro, libertino e ainda mais após a morte de seu pai.

Lorde Dain, tinha um gênio do cão e ainda muito poder... Uma combinação muito complicada. Mas, o que aquele homem que vivia cercado por “mulheres da vida”, em muitas noites de orgias com seus amigos de Londres, tão miserável quanto ele não esperava, era se deparar com Jessica, aquela solteirona de 27 anos (essa parte me deu tanta raiva, rsrs, relevei, era século XVII...) E, humilhá-la e arruinar suas virtudes se tornou seu passatempo predileto. Contudo Jess não era mulher fraca, vingou-se, com arma em punho! Uma quebra de braços que anunciava desejo, paixão e entrega.

Jess, não entra na vida de Dain para um "ampassã", ela entra para virar tudo de ponta cabeças, fazer de sua vida um inferno... Jess é uma mulher forte que criou seus irmãos, que aprendeu a ser forte, sábia e além de tudo era linda, mas, uma mulher como aquela não amaria aquele “Belzebú”, não é?

Amaria! E, além de amar ia ensiná-lo que a vida pode ser vida de forma mais leve, amável e livre. Como disse Gisa, "Jess é porreta!" Ela ao virar a vida de Dain pelo avesso, coloca as coisas no lugar, que um dia alguém havia bagunçado. E, “milorde” Dain vai entender que naquele coração ressecado, rachado sem nenhuma gota de carinhos e compreensão, era possível brotar amor, e crescer uma linda árvore de conforto e paz, sem as pontadas de dor de cabeça com quem aprendeu a viver no desassossego de sua vida, mal resolvida.

Dain aprende a ver um mundo de outro prisma e o inacreditavelmente, sorrir, mas sorrir sem ironia, sem deboche. Sorrir por amor, de pura felicidade.

E daquela rosto escuro, da boca ressecada, pode nascer as mais lindas palavras e doçuras.

"Era tão fácil, quando tudo o que tinha estado gelado e enterrado se derreteu e saiu à superfície, borbulhante, fresco como os mananciais de Dartmoor na primavera. Com risada entrecortada, levantou a cabeça de Jessica e a beijou levemente.
—Ti amo —disse. E pareceu tão ridiculamente simples que repetiu—. Te amo, Jess."

Ahhhh e Dominick!!!
Ele encheu meu coração de ternura, mas porque? Prefiro que vocês mesmos descubram!


Amoras, eu desejo que todas vocês vivam essa leitura, pois é chuva de amor, loucura, sorrisos e emoções, por isso, eu a enviarei a vocês que desejem ler, basta comentar logadas aqui no site, que eu pego o e-mail no administrador, ou... caso não queiram logar, deixem seus e-mails nos comentários. Beijo grande!

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário, é muito importante para nós!