Orgulho e Preconceito

em 14 de janeiro de 2014



***** estrelas, mas eu daria 10 estrelas


Me apaixonei pelo filme, tanto, mas tanto! Por tudo, pela trama, que vem do livro de Jane Austen, que ha 200 anos vem conquistando o coração dos seus leitores. E eu agora entendo porque. O mais lindo de tudo é que o filme não tem apelação, não tem cenas de beijos “calientes”, sexo, mas é de um romance tão profundo, que incita, excita como diria um poeta que amo! Após assistir o filme, eu não resisti e corri pra comprar o livro! Não estou menos apaixonada.



Em Orgulho e Preconceito temos a família Bennet, composta pelo senhor Bennet, a senhora Bennet e mais cinco filhas: Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia. Como é costume da época, toda a herança da família é herdada pelo filho homem e com cinco filhas todos os bens da família Bennet está destinado para um parente distante, isso é mais do que suficiente para deixar a matriarca da família desesperada para casar logo suas filhas.
Quando a propriedade de Netherfield é alugada pelo Mr. Bingley, a senhora Bennet enlouquece ao se deparar com um alvo perfeito para formar um laço com alguma de suas filhas e ela não vai poupar esforços para que isso ocorra.



O desenrolar do romance se dá na força e nos olhos de amor de Elizabeth.

Elizabeth é cheia de personalidade. No filme ela é linda, jovem, “livre e fresca” (como se diz por aí) e maravilhosa! Ela é inteligente e nada ingênua, com uma língua afiada e franqueza. Já Mr. Darcy, ah, como não se apaixonar por ele? De início ele é mal educado e fere o orgulho da Lizzy (a chamam assim), mas ele se redime por cada erro e chega a ser fofo. Darcy é daqueles homens complicados, cheios de mistérios e intensos, nossa, muito intenso. Exatamente aquele tipo que toda mulher sonha, que laça nosso coração e o leva embora.
O encanto desse livro ou filme é a forma como Lizzy e Darcy se apaixonam, como o amor deles é construído com o desenrolar da história, o desprezo tornando-se admiração (já que essa mulher forte não admira a forma como as coisas eram “resolvidas” pelas famílias). E nos detalhes, não pense que será um amor que será feito por toques, por declarações, o amor esta nos detalhes, na sutileza, no discreto roçar das mãos, no olhar que diz tudo, no quase sorriso compreendido, na respiração... aiai!
Orgulho e Preconceito foi escrito para encantar gerações, é maravilhoso e com tudo no ponto certo. Serve como critica a sociedade, mas, sem chegar ao ponto de exagero, e com lições para serem aprendidas e levadas para sempre. Uma delas é que o amor, quando de fato existe, vence tudo, muda o mundo!


E, uma ressalva que o filme, muito ao contrário do que geralmente acontece é fiel ao livro e ainda com paisagens ricas, encantadoras e emocionantes. Achei que mereciam uma galeria e por isso fiz!

Orgulho e Preconceito, não é algo que vai passar na sua vida, ele vai entrar em você e lhe fazer bem, porque ele vai tocar seu coração, orvalhar seus olhos e permanecer como uma doce lembrança, como uma foto de alguém querido, que vez por outra a gente dá uma espiadinha pra matar a saudade.

O filme está disponível em locadoras, a venda em lojas do ramo, no “netflix” (eu assisti lá), já o livro, como todos os maravilhosos romances de Jane Austen, em livrarias e sites do ramo. Estou apreciando cada dia um pouco mais essa autora!

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário, é muito importante para nós!