Se o tempo voltasse



Se o tempo voltasse eu ia fazer tudo diferente, mudar tantas besteiras que fiz! Evitar tantas dores, frustrações...

Se o tempo voltasse, eu jamais cometeria os mesmos erros, também não chegaria perto de muita gente...

Se o tempo voltasse, eu não iria dar ouvido a tantas palavras de amizade e amor vãs! Eu não faria questão de tantos sorrisos que terminaram em tempestades de lágrimas...

Dizem que a chuva é o céu apaixonado. Ah, quanta poesia boba!

Se o tempo voltasse, eu nunca mais ia fechar os olhos e balançar a cabeça negativamente cada vez que pensasse o quanto amei sem ser amada... O quanto confiei sem segurança... O quanto fiquei a margem, bem na beiradinha do abismo, sem pensar em eu mesma.

Se o tempo voltasse, eu nunca, nunca, nunca, acreditaria no que não vi... Se o tempo voltasse, eu ficaria ali na minha concha segura, afinal eu não preciso de pérolas que me ferem.

Se o tempo voltasse eu ia fazer muita coisa diferente...

Talvez eu não tivesse tanta coisa pra contar, tanta experiência empírica que me faz não cruzar a linha vermelha dos meus limites. Talvez eu não tivesse sorrisos bobos quando lembrasse coisas tão lindas e tão tolas que trazem uma nostalgia quase palpável...

Se o tempo voltasse, cometeria novos erros...

Se o tempo voltasse eu abraçaria muito forte.

Eu prenderia num abraço minha felicidade.

Voaria mais baixo, e em nenhuma hipótese abriria os braços pra te deixar partir.


LEIA MAIS

SOME LIKE IT SPICY - ROBBIE TERMAN




(Alguns Gostam Quente)

3.5 - 4.0 estrelas

Eu acho que estou sendo muito critica dando 3.5 pra esse livrinho, porque pensando bem, a leitura foi divertida.

Esse é o segundo livro que leio que tem a temática de reality shows . O primeiro que li, foi um baseado em No Limite/Suvivor, Wicked Games da Jill Myles, que foi ótimo!!

Some Like It Spicy é baseado em um dos realities que eu mais gosto, Top Chef.. Você pensou o quê? Que iria falar Big Brother??!! Não gente, eu tenho alma de gorda! Tem que ter comida na parada. Com o restaurante quase fechando as portas a Chef Ashton (sim esse é o nome da mocinha. Que nome horrível, eu pensei que era homem no começo) vê a proposta de ir para o reality como a única chance de salvar o seu negócio, pois vai ganhar a publicidade que tanto precisa para o restaurante e ainda pode ganhar o grande prêmio no final. Lá ela encontra com Ty Cates, também chef e o apresentador/jurado do programa. Você pode até pensar que Ty se acha todo, todo, por causa do dinheiro e fama que tem, mas na real ele está cansado de tudo isso, e anda pensando seriamente em voltar a ser o "simples" chef do seu restaurante lá em Atlanta. Mas ele está preso em New York, por causa de todos os contratos que tem.Ashton (Oh nome feio, Armaria!), tem problemas.

Desde criança ela sofre um bullying gigante do próprio pai, que pra piorar as coisas é um critico de comida super famoso. Ela vive tentando agradar ele, mas só o que o bonito sabe dizer é : "Vê se não me envergonha." Então ela é meio frustada e super insegura de suas habilidades, e sempre que pode desconta essa raiva do pai em alguém. E foi assim que ela foi chamada para o reality, quase emasculando um cliente que disse que o bife dele tava mal assado! OLHA A FACAA! HAHAHATy, já é bem seguro de si. Bom moço do sul. Ele só tá cansado dessa vida de celebridade, mas fica com peso na consciência de abandonar tudo e desgraçar outras pessoas pelo caminho. Olha que bom moço o menino!

A atração entre os dois começa desde o primeiro encontro e apesar dos encontros deles serem bem divertidos de se ler, o desenvolvimento desse "amor" que não me conquistou tanto assim.. Não sei dizer exatamente o que é, mas eles quase nem conversavam direito, iam logo pro rala e rola e quando chega no final que as bombas estouram tudo, eles vão se perceber super in love. Não me comprou muito, mas ainda sim meu coraçãozinho ficou apertadinho por eles. :)

Dá pra você dar umas boas risadas e imaginar aquelas comidas gostosas todas! Também adorei o Ty dando umas porradas no pai da Ashton, bem feito seu FDP!!! HAHAHA. Não sou a favor da violência, mas gente, vocês não fazem ideia do que esse "pai" fez com a própria filha no programa!! Humilhação total, mereceu as porradas. E o melhor foi a mãe da Ashton ficar comendo tranquilamente enquanto o marido levava a surra!

Recomendo para você que quer uma leitura com uma temática diferente e leve :D
LEIA MAIS

SMOOTH TALKING STRANGER - LISA KEYPAS



Olá Meninas,

Mais uma semana que estamos aqui para falarmos dos nossos livrinhos lindos!
E eu aproveito o espaço para ser sincera com vocês.. estou com um problema. Como 90% dos livros que leio ainda foram lançados no Brasil, meu estoque de resenhas para livros publicados aqui está bem baixo e tem muitos livros publicados aqui que eu li, mas não fiz resenha, e como estou em uma correria doida, não estou com muito tempo para fazer aquele tipo de resenhas que vocês, leitoras queridas, merecem.

Então, vou aproveitar as segundas para também postar resenhas de livros gringos, mas que tem tradução rolando na net. Deixando o Sem Fronteiras para postar os que não te tradução, ok?! Não fiquem chateadas com a Gisa, é só enquanto eu termino minha mono, depois disso eu fico livre leve e solta! HAHAHA! Olha o perigo!

Então vamos a resenha de hoje?? Esse livrinho aqui é bem fácil de encontrar traduzido e como sempre, se quiserem que eu mande para você é só falar nos comentários! ;)

SMOOTH TALKING STRANGER - LISA KEYPAS

Titulo em português: Boas Vibrações

Sou super fã da Lisa Kleypas em seus livros históricos e nunca tinha lido nada dos seus contemporâneos. Lendo as resenhas na gringa, percebi que a opinião deles sobre quais livros são melhores é a mesma que eles tem sobre a Julie Garwood.. Uns dizem que os históricos são os melhores, outros defendem os contemporâneos com unhas e dentes..

Decidi testar Smooth Talking Stranger (é o último livro da trilogia dos irmãos Travis - lá vai eu ler livros fora da ordem - irmãos SUPER ricos, tipo alpha, ah, são texanos :3)

Aqui temos Jack Travis, o irmão do meio, e o mais "relaxado" de todos - quando li isso pensei, se o mais relaxado é desse jeito, imagina os outros, meu Deus o_O!!

O menino é lindão, e apesar de já ter nascido rico, não quis trabalhar no mesmo ramo do pai, e abriu sua própria empresa, e claro que ganhou milhões e milhões. Ele não divide o que é dele, nunca deixa a mulher pagar o jantar, é super protetor, enfim, é adepto daquele tipo de machismo que a gente gosta, sabe?!

Logo que ele conhece a Ella, ele já vai tomando conta dela, apesar da resistência da mocinha, que chegou a me aguniar! Eu sei, eu sei, que Ella teve vários traumas de infância com a mãe pertubada e tals, não consegue confiar nas pessoas totalmente - apesar de já estar namorando e morando com um cara a vários anos. O relacionamento com o Dane é aberto, e detalhe ela só foi descobrir isso quando estava terminado com ele. hahaha...

O livro é narrado em primeira pessoa, sob o ponto de vista da Ella. Eu não tenho problemas com esse tipo de narrativa.

A mocinha foi ao encontro de Jack pois achava que ele era o pai do filho da irmã dela. A irmã entrou em parafusos e deixou o bebê de uma semana na casa da mãe, que é mais louca ainda. E Ella teve de sair de Austin e correr para Houston afim de cuidar do bebê, enquanto a irmã se recupera.

Jack e sua familia vão cercando Ella e dando o apoio que a propria familia e namorado de Ella não deram. As interações dos outros irmãos são ótimas e deu vontade de ler os outros livros!!

A relação de Ella e Jack é ótima. Ele tentando - e conseguindo - mandar nela geram cenas muuuuito boas, sexies e divertidas. Eu gostei bastante apesar de não acreditar muito na recuperação total da Ella. O final me pareceu meio corrido e achava que a autora deveria ter nos mostrado mais provas de a mocinha se libertou dos seus traumas.

Mas se pensa que isso atrapalha o andar do livro, está enganada! As coisas vão acontecendo e você não consegue parar de ler. Comecei ontem a tarde e fui até as 2:30 da manhã até terminar! Sinal de que é bom né?!

Gisele Pinheiro
LEIA MAIS