Sou filha, sou mãe, sou completa é o cacete!

Mais uma vez lá vou e falar da internet e da necessidade humana em insistir parecer o que não é! 

Deparei-me com essa postagem... “Sou filha, sou mãe, sou completa.” Umas 10 ou 12 vezes na minha timeline, mas que mentira!!! Primeiro porque eu conheço as pessoas que as postaram e segundo porque eu desconfio de toda e qualquer pessoa que precisa GRITARRRRRR para o mundo que é tão completo assim... Segundo, sendo eu uma pessoa completa eu não estaria “sambando” na cara das pessoas que possuem dores em si, terceiro, menos né cu-lega!

Mas, eu vou me ater ao segundo item... Por acaso sendo você uma pessoa tão completa e como se diz hoje nas redes “plena” não pensou que você está cagando na cabeça das pessoas que nesse momento padece a dor de não conseguir ser mãe? Pois é, você não pensou? Do alto da sua soberba, da sua arrogância, você não teve a sensibilidade de pensar quantas outras mulheres que as vezes estão ao seu lado sofrendo, caladas e tentando engravidar e não obtendo sucesso? Você conhece essa dor? Eu conheço... E, não porque essa dor seja minha, eu não tive filhos por opção e se amanhã eu vou ou não me arrepender, amanhã a gente discute, ok? Mas hj, eu estou falando de mulheres que sofrem de verdade porque sonharam com essa realização que você ‘completona’ teve e, hoje esfrega como quem esfrega uma bucha de aço na cara fragilizada de outras mulheres até sangrar... Suas palavras doem... Eu queria que nesse dia das mães, você meditasse sobre isso e quem sabe nesse dia sensível enfim possa sentir o quanto suas palavras insensíveis podem ferir...

É cansativo, dolorido. Uma mulher se sente pequena, incapaz, solitária, pois são meses de tratamento e as vezes quanto dá certo, as vezes quando já fez o enxoval, preparou o quarto, perde... Não uma, mas duas, três, diversas vezes!!!


Então, talvez antes de você postar sua plenitude, você possa pensar que suas palavras possam ferir como ácido e diminuir ainda mais e fazer o outro ainda menor, menos significante. Quando na verdade todos nós temos nossas deficiências, assim como eu tenho a minha em digerir certas arrogâncias como essas... Eu conheço as minhas, admito e tento lidar, embora em geral falho. Mas, tem uma coisa que venho tentando praticar, calçar as sandálias do outro. 
LEIA MAIS

Expectativa para The Chosen - 15 livro da Irmandade da Adaga Negra - JR Ward


The Chosen ou o Escolhido... Foi lançado dia 04 de Abril nos Estados Unidos e não tem previsão para lançamento no Brasil. (Isso me mata).

O livro vai contar a historia mais enrolada desses livros, Xcor e da Layla! Pela Virgem Escriba, que coisa demorada... Esse casal e Assail e Marissol (que eu amoooo) são os mais enrolados da vida!

Será que eles enfim terão um final feliz? Como Quinn vai reagir? Nossa que ansiedade! Mas vocês sabem que nós sempre damos um jeitinho e contamos antes para vocês, não é?

Enquanto isso vou disponibilizar um trecho exclusivo que o ew.com liberou na internet... (Para ler o original, clique no link)




Trecho postado originalmente em Inglês: ATENÇÃO TEM SPOILER

"Um amor proibido escaldante ameaça romper uma fenda através da Irmandade da Adaga Negra, no mais recente romance de J. R. Ward na série de best-seller do New York Times."


Ele nasceu em uma noite de inverno, durante o vendaval de uma nevasca histórica. No fundo de uma caverna úmida e suja, assim como as rajadas geladas ameaçado útero de barro, a mulher que deu à luz tinha gritado e sangrado para trazer o filho que o Irmão da Adaga Negra Irmão Hharm lhe tinha exigido.

Xcor foi rompido. O primeiro de muitos de seus erros, e possivelmente o único que não tinha sido culpa dele. E ele tinha sido querido... até que seu rosto emergiu.
Seus defeitos físicos ofuscaram até mesmo o triunfo do seu gênero, e desta forma, seu criador tinha nivelado os cuidados de seu ego incipiente como uma maldição sobre a sua mahmen, uma punição por sua incapacidade de gestar uma prole adequada.

E esse foi o início da sua história... que o tinha levado até ali.

Em outra caverna. Em uma outra noite de Dezembro. E tal como no seu nascimento, o vento uivava para cumprimentá-lo, apesar que desta vez, foi um recobro de consciência em oposição uma expulsão para a vida independente que o acordou.
Tal como uma cria recém-nascida, ele tinha pouco controle sobre o seu corpo. Incapacitado estava ele, e isso teria sido verdade mesmo sem as correntes e as barras de metal que estavam presos sobre o seu peito, seus quadris, suas coxas. Máquinas, em discrepância com o ambiente rústico, apitavam atrás da sua cabeça, monitorizando a sua respiração, frequência cardíaca e pressão arterial.

A Irmandade da Adaga Negra estava o mantendo vivo... para o poderem matar.
E à medida que o seu cérebro começava a funcionar de baixo do seu crânio, enquanto os pensamentos finalmente se aglomeraram e formaram pensamentos racionais, ele recordou-se da série de acontecimentos que o colocaram a ele, o líder do Bando dos Bastardos, na custódia do que tinha sido seu inimigo: um ataque que lhe foi feito por trás, uma queda que provocou uma concussão, um AVC ou algo semelhante que o tornou propenso e em suporte de vida à mercê, não existente, dos Irmãos.

Xcor recobrou a consciência uma ou duas vezes durante o seu cativeiro, mas a conexão na sua arena mental tinha sido insustentável por grande períodos de tempo.
Isto era diferente. Ele conseguia sentir a mudança dentro da própria pele. O quer que fosse que tinha sido danificado tinha finalmente sido curado. Ele tinha voltado da paisagem enevoada que não era nem-vida-nem-morte.

Mesmo com os seus olhos fechados, ele não podia fingir estar inconsciente para sempre.

— ... o que me preocupa de verdade é o Tohr.

O final de uma frase proferida por um macho entrou no seu ouvido como uma série de vibrações, e a tradução delas estava com atraso. Mas o nome...

— Nah, ele é forte. — Houve um som de um arranhar suave seguido do cheiro rico do tabaco. — E se ele falhar, eu estarei lá.

A voz profunda que tinha falado primeiro ficou seca. — Para manter ele na linha—ou para o ajudar a assassinar o pedaço de carne?

O Irmão Vishous—Sim, quem era—riu como um serial-killer — Que visão da porra você tem de mim.
Era uma maravilho pensar que eles não se entendiam melhor, pensou Xcor.
Mas, mais uma vez, a Irmandade e os Bastardos tinham estado em lados diferentes do reinado de Wrath. Na verdade, a bala que o Xcor tinha colocado na garganta do líder por direito da raça vampírica tinha sido um evento clarificador quando se tratava de afiliações.
Desde aquela altura, contudo, tinha existido uma força contrária que intercedeu no seu destino.

A imagem que lhe veio à mente foi de uma fêmea alta e esbelta com as vestes brancas de uma das Escolhidas da Virgem Escriba. O seu cabelo loiro ondulava a baixo dos seus ombros e arrastavam-se na brisa gentil, e os seus olhos eram da cor de jade, e o seu sorriso era uma bênção que ele nada tinha feito para merecer.

A Escolhida Layla tinha mudado tudo para ele, remodelando a Irmandade de alvo para tolerável, de inimigo para um inclino co-existencial no mundo.

Ela tinha tido mais efeito na sua alma negra que todos que haviam aparecido antes dela, evoluindo-o uma distância maior num espaço de tempo mais curto do que ele alguma vez teria pensado possível.

— Eu quase quero que Tohr apareça aqui e o foda em pedaços. Ele ganhou esse direito.
O Irmão Vishous praguejou. — Todos nós ganhamos. Traidor do caralho. A parte mais difícil disto vai ser garantir que haja alguma coisa que sobre no final para Tohr o ter.

E aqui estava o problema, pensou Xcor por trás das suas pálpebras fechadas. A sua evolução era desconhecida aos seus antigos inimigos... e a única maneira de sair deste cenário mortífero seria revelar o amor que ele tinha encontrado com uma fêmea que não era dele, nunca tinha sido, e nunca irá a ser.

Mas ele não iria sacrificar a Escolhida Layla por ninguém.

Nem mesmo para salvar a si próprio...

Fonte: ew.com

Só não me perguntem como fica a ansiedade esperando para ler...
LEIA MAIS

Blood Vow - Legado da Irmandade Adaga Negra - JR Ward - Resenha


Blood Vow ou Voto de Sangue é o Segundo livro da série "Legado" da IAN - NO SPOILER

Acabei de ler ontem e já to passando mal de abstinência. Toda vez que eu acabo de ler eu tenho essa sensação de abandono, nem preciso dizer da minha frustração do livro ser lançado aqui no Brasil em data diferente da "gringa" né? Nós merecíamos um lançamento simultâneo. Mas bem vamos lá!

Blood Vow traz muitas passagens emocionantes, especialmente da Família do Rhage. Mais uma vez todo amor dessa família vai deixar nosso coração apertadinho. E também de Axe (um dos recrutas, treinado pelos Guerreiros), que dessa vez vai ter seu coração tomado por Elise, uma fêmea da glymera.

Se pensarmos bem, um nada tem a ver com o outro, pois ao que sabemos, Axe é um macho sem uma linhagem de sangue apropriado para Elise, além de suas "preferencias sexuais"...

Quando entendemos toda a vida de Axe, então temos certeza que esse amor vai ser complicado e cheio de empecilhos.

As duas historias vão nos instigando e é quase impossível largar o livro, apesar da tradução, rsrs...

Outra coisa que vamos descobrir do meio para o fim do livro é que Peyton (primo de Paradise, personagem principal de Beijo de Sangue), mais um recruta da Irmandade, tem uma paixão dentro de si que ele mesmo nega, mas que promete muitas emoções futuras e só para deixar vocês  curiosos é por outro recruta do treinamento. Yes!!! Eu adorei.

O livro é magnifico! Envolvente...
Mas, eu preciso dizer que as citações de Ward a muitos personagens de programas, filmes e/ou pops da musica Americana nos deixa em situação complicada. Porque são "girias" que a nós é desconhecidas. Eu detestei isso no livro, detestei. Afinal Ward é um sucesso mundial, precisa pensar nos leitores de outros países. Alem de citar muitas lojas americanas também!
Eu já me sinto culpada por usar alguns termos que só quem acompanha a série entende, pois já é muito entender todas as palavras usadas pelos vampiros da IAN, mas essas citações são bem confusas ao menos para mim.

Não posso terminar sem falar de Lassiter, gente nesse livro esse Anjo maluco se supera, não só em traquinagens, mas mostrando mais ainda seus poderes e sua bondade. Sou apaixonada por ele.

Tem cenas quentes, tem muitos lances engraçados, tem momentos tensos e outros tantos que não há como conter as lágrimas...

Se eu gostei? Muitíssimo... Mas minha nota é 4, para que Ward entenda que o mundo não gira em torno de Nova York, hehehe!

Bem, para você que é fã da IAN já deve além de estar de olho nesse livro (lançamento previsto para segundo semestre no Brasil), já deve estar pensando em The Chosen, que foi lançado no ultimo dia 04 nos Estados Unidos (sem previsão para lançamento no Brasil). Vamos falar dele na próxima postagem do Domingo dia 30/04.

Não me aprofundei muito pq qualquer coisa que eu diga será spoiler, tudo que posso dizer é NÃO DEIXEM DE LER!

Bjokas
LEIA MAIS

Stranger Things - Data da segunda temporada!!! Yes!!!

Oie amoras,

Eu já falei que sou louca por séries? Não? Pois é sou, mas eu preciso admitir que fazia tempo que eu não encontrava uma série que eu gostasse pra valer como Stranger Things (Coisas Estranhas), até relutei de assistir, mas preciso confessar...

É boa pra valer! Alem do mais tem essa frase, perfeita!

Eu não gosto muito de filmes com crianças e animais, mas me rendi, são 08 capítulos da primeira temporada, disponível na Netflix, mas quando acaba dá uma dor no coração. Eleven é sem duvida o que mais me comove em tudo isso. Não vou dar spoiler, mas se você não assistiu, assista porque a Netflix divulgou o primeiro vídeo teaser da segunda temporada de Stranger Things, confirmando o lançamento dos novos episódios para o mês de outubro.

Veja:



Ehhhhh, sim, outubro! E eu já estou ansiosa!

Segundo o comercial americano, a nova temporada será disponibilizada no Halloween, o que nos leva a acreditar que a data correta seja 27 de outubro, uma sexta-feira (dia tradicional de lançamento dos programas originais na Netflix).

Relembramos que a segunda temporada de Stranger Things terá um salto temporal de aproximadamente um ano dentro da narrativa, ou seja, o segundo ano vai se passar em 1984.

Além disso, diversos atores foram anunciados para o novo ciclo, incluindo Sadie Sink (The Americans), Dacre Montgomery (Power Rangers), Brett Gelman (Go On), Paul Reiser (Mad About You), Sean Astin (Senhor dos Anéis) e a novata Linnea Berthelsen.


O elenco principal também possui retorno confirmando: Winona Ryder (Joyve), David Harbour (xerife Hopper), Joe Keery, Noah Schnapp, Finn Wolfhard, Gaten Matarazzo, Caleb McLaughlin e Millie Bobby Brown (Onze/Eleven) aparecerão no segundo ano da série.

Entre as novidades, teremos justiça para Barb, o xerife Hopper lidando com o luto e mais do triângulo amoroso jovem entre Jonathan, Nancy e Steve.

Para completar, o Mundo Invertido estará de volta, já que o primeiro ano apenas “abriu a cortina” para este estranho lugar.

A segunda temporada de Stranger Things estreia em outubro na Netflix.


Pesquisa: Minha Série/TecMundo e Netflix Brasil
#NoPubli
LEIA MAIS

Quando eu e você éramos NÓS

Pensando em nós, quando vc era apenas você e eu, apenas eu... tudo era tão calmo, tão certinho, dentro da rotina. Uma vida calma, com sorrisos, amigos e alguma diversão.
Até que a gente se encontrou de uma forma inusitada, no meio da confusão e entusiasmo que era minha vida, então eu passei a ser nós...
Eu te perdi por incontáveis vezes, mas eu sempre fui eu e você (você e não VC como muitos imaginavam).
Você foi muito eu, tão docemente eu que era difícil acreditar... Era a benção que eu nem ousei pedir.
Escrevi quase tudo que florescia em mim para você e todo mundo achando que era para um outro som, uma outra mão que tocava outro acorde, uma outra voz, que era segunda e não primeira como a sua... Foi conveniente confundir...
E, você sendo eu tão profundamente, teve ciúmes de um amor superficial, sendo eu e você, nós, não seria obvio que tudo, todo o tempo era para você?
Eu em você e você em mim, de tanto amor e ciúmes nos perdemos em nós... Eu aprendi por fim que o lirismo das entrelinhas me fez perder o amor real e palpável... Faltou confiança, faltou o olho no olho e as lágrimas quentes que insistem em cair ao ouvir sua voz numa canção, que muitos desconhecem, mas que eu sei ler, eu sei de cor, todas, completamente... Plenamente.
Minhas madrugadas em mim, me leva até você e eu te encontro nos seus palcos e você está brilhando, sua voz ecoando nas grandes telas e eu aplaudindo tudo.
Não se engane... Eu ainda sou nós, eu preciso sentir sua mão linda, sua voz rouca, seu olhar doce de meu menino...
Vou ser nós eternamente, tão profundamente você que as vezes nem consigo me encontrar... Acho que de repente se procurar bem, vai me encontrar bem aí.
Nunca esqueça... "Se um vento tocar o seu rosto, fui eu que saí de mim e passei para lhe dar um beijo."
Eu amo sair de mim, não para sermos nós, porque eu respeito tudo em você, mas para ser você, sentir você, adormecer ouvindo você...
LEIA MAIS

Prisioneira de mim mesma


De todas as coisas do mundo, eu só queria um vida livre... Sem as cobranças internas, sem os compromissos e cobranças impostos pela consciência, pela culpa.

Queria a liberdade, asas em forma de uma mochila...

Rodas em forma de um tênis velho.

Pisar nas convenções, seguir com olhar firme e ombros leves...

Ver o tempo passar pelos fios brancos do cabelo em um sacolejar do vento, na beira de uma praia e não a frente de um espelho oprimida por uma sociedade desonesta.

Eu preciso... Preciso de uma liberdade que eu não conheço, mas existe na minha essência.

Uma liberdade que não existe no ideal, não foi formulada, por que a liberdade é diferente para cada qual.

A minha liberdade tem respeito, tem troca, tem sorrisos... Tem limites, tem deveres... A minha liberdade respeita a sua.

Liberdade é uma força fundamental que mora dentro de nós, que alimenta nossa sanidade, nutre nossa alma e que sem ela não há a menor razão de existir...

Um ser humano sem liberdade, ainda que apresente sinais vitais, está morto.

LEIA MAIS

Receita: Bolo de Chocolate sem Trigo




Olá amores, hoje vim compartilhar com vocês uma receita de bolo de chocolate sem trigo MARAVILHOSA (olha que coisa boa, gluten-free!) que fiz semana passada e que fez tanto sucesso aqui em casa que eu senti essa necessidade mostrar pra vocês também. O bom é que essa receita é bem simples, somente 5 ingredientes, e se eu consegui fazer, todo mundo consegue.
Sério, não existe pessoa mais estabanada que eu, e se Gisele conseguiu separar clara de gema, e depois bater a clara em ponto de merengue, QUALQUER pessoa consegue! Vamos a receita?



BOLO DE CHOCOLATE SEM TRIGO

Ingredientes:

85g de manteiga sem sal
226g de chocolate meio amargo
6 ovos (você deve separar as gemas das claras, então serão 6 claras e 6 gemas)
1/2 xícara de açucar
1 pitada de sal

Instruções:

1. Pré aqueça o forno à 180ºC. Unte com manteiga uma forma média de fundo removível (é importante que a forma seja de fundo removível, porque o bolo tem uma consistência de brownie e mesmo untada, ficaria muito difícil de desenformar). Outra dica é que no fundo da forma, eu coloquei também papel manteiga, só pra formar uma base e deu super certo. Reserve a forma.

2. Em uma tigela grande derreta o chocolate e a manteiga em banho maria, mexendo aos poucos - pode ser no microondas também. Uma vez derretidos, deixe esfriar e acrescente as 6 gemas e misture. Adicione a pitada de sal e misture novamente. Importante: deixe o chocolate esfriar, porque se você colocar as gemas com ele ainda quente, elas vão cozinhar.

3.Com uma batedeira - ou na mão se você tiver força e disposição - bata as claras. Quando elas começarem a espumar, começe a acrescentar aos poucos o açucar. O ponto das claras é quando você consegue criar com elas uns bicos firmes - o famoso ponto de merengue. 

Ponto de Merengue

4. Misture 1/4 das claras na mistura de chocolate. Depois aos poucos vá misturando o restante das claras à mistura, e aqui está o segredo e onde você deve tomar cuidado. O primeiro quarto das claras, você pode misturar bem, mas o restante, você deve misturar gentilmente, com movimentos de dentro para fora, para não perder o aerado das claras, essa massa tem que ficar aerada, leve. Não se preocupe se você ainda ver algumas partes brancas na mistura é assim mesmo, se misturarmos demais, o ar vai embora.

5. Derrame essa mistura na forma e alise um pouquinho para arrumá-la e coloque no forno por cerca de 40 - 50 minutos, isso vai depender do seu forno. O bolo vai inchar e a parte de cima ficará rachadinha, é assim mesmo. Se você quiser colocar um palito dentro, o ponto deve ser o de brownie, o palito sairá um pouco molhadinho, é esse ponto que estamos buscando, crocrante por fora e molhadinho por dentro.

6. Depois de pronto retire do forno para esfriar. O bolo irá murchar bastante - e é pra ser assim mesmo - e a parte te cima vai rachar um pouco mais. Aconselho que só desenforme depois de totalmente frio, fica mais fácil. 

Agora meu bem é só aproveitar! O gosto é parecido com o de um brownie, mas ao invés de pesar na boca, ele derrete, por causa do ar das claras. Super leve!! Como aqui em São Luís é super quente e depois de um dia ele começou a derreter, eu o coloquei a geladeira e durou a semana toda. Gelado, ele fica com a consistencia mais firme, mas ainda assim não perdeu a leveza. 

Recomendo demais! Faça e depois venha aqui me contar o que achou. E Déia, se joga, como te falei, se eu cosegui fazer, você vai tirar de letra! =)


LEIA MAIS

Viajar, contemplar o mundo! #52semanasdegratidão



Se tem uma coisa que me deixa feliz é fazer as malas!

Sou dessas pessoas que nasceu para viver com a mochila nas costas. Tenho a desconfiança que em outra vida (se é que a tive eu fui um Jaboti rs). Pensem numa pessoa que ama viajar. Amo uma boa estrada, conhecer cidades novas, paisagens, fotos...
Não preciso ir para longe, pode ser logo ali no litoral, ou no interior.


Mas, também não dispenso conhecer outros estados...




Ou mergulhar num Thermas...


Andar nas nuvens... Ah, as nuvens de algodão, ou a cidade iluminada vista de cima!!! Como eu amo!



Conhecer as culturas diferentes das nossas habituais, o jeito diferentes das pessoas falarem, tudo me encanta. Trazer de cada cantinho uma lembrancinha, pode ser a mais baratinha de todas, não importa, são preciosas para mim. Sou chatinha, daquelas que diz "cuidado com esse cortador de unha, veio de "giz de fora!" Minha vida é assim, feita de relíquias baratinhas, mas de um valor inestimável para mim.

Porque eu gosto mesmo é de sentar na Praça e ver o patinhos saírem para o passeio as 15h em Holambra e depois comer torta Holandesa e tirar foto dentro do tamanco de madeira.

 Ser acordada pelo tiro de Guerra de Colatina.

E ficar esperando na rodoviária e me divertindo conversando com o povo lindo de Florianópolis.


Mas eu também amo ir simplesmente no Guarujá e implicar com o rapaz do quiosque que coloca muito açúcar no suco e ver o dia passar de frente para o mar.

E voltar para casa, ah... A delicia de voltar para casa.

(todas as fotos dessa postagem são de autoria de Déia Neves)

Porque a vida é isso, é viver em constante movimento. A vida insiste em me prender, mas, eu ainda quero ir tão longe, o mundo é tão grande para que eu fique parada no mesmo parâmetro... Mas eu já sou grata por me movimentar e por ter vontade de continuar...

"(...) a vida é trem-bala, parceiro
E a gente é só passageiro prestes a partir." (Trem Bala - Ana Vilela)


Essa postagem faz parte da postagem coletiva #52semanasdegratidão, idealiazada pela Elaine Gaspareto, caso queira conhecer e/ou participar clique na imagem abaixo.


LEIA MAIS

Resenha Série Up In The Air (Voando Alto) – Autora: R. K. Lilley


Vou tentar cometer pouco Spoiler.

Oie amoras!

Fui desafiada a ler a série “In the air”, já que eu vivia questionando as pessoas que criticavam Grey e Gideon... Porque eu sempre disse que eles não eram exatamente praticantes de BDSM - Bondage e Disciplina (B/D), Dominação e submissão (D/s) e Sadismo e Masoquismo (S/M), já Nathaniel se aproximava mais disso, na minha visão periférica de quem sequer simpatiza com esse paranauê todo! Eu não queria, já que minha lista é grande, mas comentei com Gisa  e ela disse duas palavras mágicas, “Best Sellers”, sim no seguinte contexto: “Nossa honey, esses livros são best sellers na guinga!” Aí aquela coisinha que corroí a gente por dentro, começou a me empurrar para esses livros, porque eu precisava ler e fazer a resenha para o Blog! Rs...

Vamos lá, quando eu comecei a ler o primeiro livro, me deu uma preguiciiiiinha, quase desisto... Bem para começar, James Cavendish é loiro né, eu já não curti (me perdoem os loiros kkk) e, Bianca, meio seca, grossa mesmo pra dizer a verdade. Aí peguei antipatia pelo casal de vez, mas tinha Stephan, o amigo/irmão de Bianca, que é uma figura carismática e doce e foi a historia de vida deles, de abandono e violência que me fez continuar...

Bianca é aeromoça e trabalhava com Stephan na primeira classe. O trabalho, assim como a casa, que compraram vizinhas tinham sido conquistado com muito esforço e era motivo de muito orgulho. Afinal só eles sabiam de onde e como vieram e mais que isso, sabiam que só tiveram a vida toda um ao outro. A cada dia de trabalho ao decolar, Bianca segurava a mão de Stephan e ela sabia que seria assim, para sempre.

James Cavendish, é o único herdeiro de um império hoteleiro e teve que aprender rápido que as pessoas nem sempre são boas, não importa o quanto você está vulnerável e depende delas... Muito cedo teve que aprender a lidar com suas próprias dores e encontrar dentro de si, um refúgio para suas amarguras...


Naquele exato momento, em que seus olhares se cruzaram, enquanto Bianca o Sérvia um tanto perturbada,  James Cavendish, reconheceu o chamado da submissão...


Agora vou contar para vocês, a brutalidade desse Sr. Cavendish na primeira vez da Bianca é pra a pessoa sair correndo e nunca mais na vida voltar, como diria uma amiga minha #quediabeisso !!!
(Eu sou daquelas que lê e fica brava sabe? Quando eu leio eu ando com o tablet pra onde vou, vou pra cozinha, levo... Atender o portão, levo... Ver o forno, levo... E falo sozinha e gesticulo... Imaginem... meu sonho é uma bateria eterna).

Aí eu fico inconformada com o padrão de “deliciamento” de um homem dessas autoras, Cavendish estava esperando Bianca para o primeiro encontro, de bermuda preta com listas laterais brancas...
Oi? Para quem imagina um CEO de terno, com cara e cheiro de quem acabou de sair do banho, derrubou o forninho né? Ok, voltando...

É tanta cena de sexo que eu fiquei pensando como essa moça conseguia sentar e se era possível uma pessoa tomar tanto diamante azul(1) assim e não ter um infarto. Porque cá para nós é humanamente impossível! Se for, alguém comenta aqui para nós leiguinhas.

O livro é hiperhot(2)! Chega cansa! Mas Sr. Cavendish capricha na variação. Não é como Cross ou Nathaniel que é basicamente cópia de Grey, nãoooooooo, peraí, NÃOOOOOOOOOOOOOOOOOO MESMOOOOO!!! 

São cenários diferentes e brinquedos diferentes, maldosos e doloridos, pra ca... caramba! Chega uma cena que eu desisti de ler, porque eu sempre achei e acho que Asfixiofilia (interromper o fluxo respiratório do outro ou de si próprio por determinado tempo), inaceitável e até isso rola nesse livro! Aí foi demais para a minha cabecinha já problemática, quase que eu morro de claustrofobia (brinks).

Por outro lado, no decorrer do livro a gente entende o que fez Bianca se tornar esse iceberg, a monstruosidade que é o seu pai. A importância de Stephan. E ela sofre muito ainda na trama. Não podemos negar a qualidade da narrativa, da continuidade. R. K. Lilley, tem qualidades inquestionáveis, mas é sim uma série forte, que mexe com suas emoções, você certamente vai rir, chorar, ficar brava, achar ridículo alguns apelidos e por aí vai. E é isso que a gente espera do livro, o problema é que é tudo over!!!

Para mim o grande erro foi o terceiro livro ter tantas mudanças drásticas, Bianca se transforma em um piscar de olhos, de uma mulher arisca e distante, ela se 8desmancha... Tudo, tudo acontece, desenrola no terceiro livro. James Cavendish tem uma súbita mudança e começa a ajudar tudo e todos que ele até então não queria nem em sonho ver por perto. Quem a gente tem vontade de ter na nossa vida, se desse a gente trazia do livro para o real é Stephan, eu ouvi amigas dizendo que ele é seu Crush... “Migas entenderam errado!”

As imagens que tem de fundo dos e-books são lindas e a imagem final é de matar...

Deia, vale a pena ler?

É o seguinte, se você curte um livro bem escrito e hot, hot, hot, vale!

Agora, se você tem uma gastura com cenas de dominação, pet play, coleiras, Edgeplay e fica nervosa, como eu fiquei, não lê não, eu já contei pra você e na net tem spoilers, da uma olhadinha.
Eu posso dizer que tudo acaba em bolo ;) e assim oh, olha a foto!

Para quem leu e gostou ou quem já esta doida para ler e sabe que vai gostar tem o 04 volume que é esse aqui abaixo.

Ele fala de Lana e Akira, Lana é concorrente de James Cavendish no ramo hoteleiro, mas os dois são muito amigos e ela e Bianca se tornam grandes amigas.

Não sei se vou ler, vou dar uma espiada se segue a mesma linha primeiro.

Sinopse: "Lana não pode se lembrar do tempo quando ela não estava perdidamente apaixonada por Akira. Mesmo sabendo que ele a via como uma irmã mais nova, isso nunca ajudou a amortecer seus sentimentos. Uma noite juntos só fez piorar. Depois de seduzir Akira, tornou-se evidente que o seu caso de amor estava perdido, e de coração partido, Lana fugiu de sua amada ilha paradisíaca. Oito anos mais tarde, Lana finalmente volta para casa, planejando ficar por pouco tempo, e só para os negócios, mas seus planos de ir rapidamente dão errado quando ela reencontra o homem que ela nunca conseguiu esquecer. "

Você achou mesmo, que eu ia embora sem contar uma fofo... curiosidade?

Dessa vez é da autora, presta atenção #migasualoka

R.K. Lilley tem sido uma escritora desde que ela pode se lembrar, mas manteve alguns trabalhos interessantes para pagar as contas. Durante vários anos ela era uma aeromoça de primeira classe, e ela sempre jurou que ela tinha que escrever um livro sobre isso. Misturando seu amor de romance e todas as coisas BDSM, o Up In the Air Trilogy é sua estréia no mundo de romance contemporâneo e erotico. Atualmente, ela está trabalhando na última edição da série.

Babado né? Será que tem um pouco de verdade nessa trilogia? Aí que curiosidade!

Nota? para mim 3,5 pela boa narrativa.

Então né, nos vemos logo!
Até a próxima.


(1) Como é popularmente chamado o medicamento para disfunção erétil.
(2) Como são classificados os livros com muito sexo.

Pesquisa: goodreads.com/google/amazon

A venda em português livro 01 na Amazon
CLIQUE AQUI

E, então... Acreditem que as 01:06 dá manhã cá estou eu, refazendo a resenha e mais, acreditem que eu li mais de 100 páginas do livro Mr. Beautiful, que é a visão de James Cavendish, fala sério! Isso que é menina obediente e que faz a lição de casa. É que eu soube desse livro após o fechamento dessa matéria e como a gafe foi minha eu vim aqui corrigir e deixar um trechinho do Sr. Cavendish se auto descrevendo.

"(...) . Eu fui refeito quando meus pais morreram, passei de uma infância feliz para navegar em um mundo sombrio, com centenas de responsabilidades, rodeado de inimigos, e desesperadamente sozinho. Aconteceu novamente nas mãos de um predador covarde. Fiquei mais enojado após isso, mais cínico e, sem duvida, me converti no filha da puta que sou hoje. 

A terceira vez aconteceu rapidamente. Um dia mirei um par de olhos azuis e vi a outra metade de minha alma. Xeque-mate. Passei de uma existência completamente controlada, uma vida onde minhas decisões eram friamente calculadas, à um homem cheio de sentimentos e emoções estranhas, mas de certa forma maravilhosas.
(...)"

Aí vcs acham que foi só isso que eu achei? Não migas, olha o meu play livros, tem 03 mega livros de Tristan e Danika, que tem aquela paradinha que ela ficou com defeitinho na perna por causa do mágico e tal e ninguém sabe o que foi, maior mistério dá trama? Pois é, esse eu vou ler com certeza! E venho contar tudinho.

Pelo jeito essa série vai ser maior que dá Adaga Negra.


Bom agora Déia Bond vai dormir. Espero que gostem e vcs sabem né, qualquer coisa, deixa aquele recadinho, aqui no contato que agente agiliza a sua leitura. Tendeu? Tipo coisa entre amigas. Gisele fala aí, ta orgulhosa? Kkkkkk

Aquele beijo.
LEIA MAIS

Martha Medeiros


“Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.”
(Martha Medeiros)

Martha Medeiros, 20 de agosto de 1961 é jornalista, escritora, aforista e poetisa brasileira.
Filha de José Bernardo Barreto de Medeiros e Isabel Mattos de Medeiros, é colunista do jornal Zero Hora de Porto Alegre, e de O Globo, do Rio de Janeiro.
Mãe de Júlia e Laura, estudou num dos mais tradicionais colégios de Porto Alegre, o Nossa Senhora do Bom Conselho, no bairro Moinhos de Vento. Formou-se em 1982 na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre.
Trabalhou em propaganda e publicidade, mas logo se sentiu frustrada com a carreira. Foi quando teve a oportunidade de passar 08 meses morando no Chile, na qual passou escrevendo poesia, acabou sendo um divisor de águas na sua vida. Quando voltou para Porto Alegre, começou a escrever crônicas para jornal e, a partir daí, sua carreira literária deslanchou.

Martha, em minha opinião é uma das mais sensíveis e talentosas escritoras contemporâneas. Temos o privilégio de ter uma mulher tão arrojada, feliz e entregue em nossos dias escrevendo e trazendo a luz nossos pensamentos, desejos e sonhos, colocando em palavras de formas tão sucintas e claras. Como mulher sinto-me envaidecida e representada. Há cerca de 3 anos atrás eu trabalhava em um outro projeto e precisava de umas informações a respeito de Martha que se embaralhavam com a da biografia de outra Martha talentosíssima, a estilista alagoana e comentei com alguns amigos do meio literário que me disseram, “Imagina é perca de tempo, ela não vai responder...” Mas eu, teimosa que só, rs, enviei o e-mail para a Martha e para minha surpresa e alegria a resposta chegou em poucas horas, com as informações que eu precisava, ainda outros esclarecimentos e um simpático pedido para que eu enviasse o link pois ela gostaria de ler a matéria. Obviamente, um incentivo para uma pessoa como eu que apenas estava começando, dando uns primeiros passos vacilantes, mas carinho esse que guardo num lugar quentinho no meu coração. 
Poderia deixar muitos textos de Marta e-ou trechos para vocês porque definitivamente sou fã, mas eu escolhi com a emoção esse e espero que gostem...

Definitivo

"Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso: Se iludindo menos e vivendo mais!

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade.

A dor é inevitável. O sofrimento é opcional..."

(Martha Medeiros)

LEIA MAIS

Corujas brancas - Animorphia - Coloridos Como Sol IV


Oie Amoras!!!

O colorido dessa semana foi uma aventura, eu já sabia que era algo novo, porque eu não sou muito boa com tinta PVA, mas... Meu celular deu PT acreditam? Sim, eu poderia ter gravado com a câmera, mas a praticidade de colorir e filmar com o celular pelo tamanho e leveza... Aí foi um perrengue para recuperar as imagens que vocês não fazem ideia. Mas entre tremidas e travadas, acho que dá pra entender o processo todo.

O vídeo é auto explicativo.



E, voltaremos com os vídeos caso vocês tenham gostado dessas nossas postagens, após as nossas férias. Simmmmm, estaremos de férias em Março, vamos viajar, passear, descansar um pouco e cuidar dessa cabeça que não para de doer. Em Abril estaremos de volta, mas não pensem que sumiremos de vez, não, não... Passaremos para um oi, uma foto legal, uma resenha, porque nas férias também cabem livros e filmes não é mesmo?

Por enquanto, espero que gostem do colorido de hoje.

Se gostar, deixe seu like e se inscreva no canal!


Bjãozão!!!
LEIA MAIS

Gratidão irmão. Postagem coletiva #52semanasdegratidão


Tem pessoas que quando a gente vai salvar o nome na agenda do celular, ao invés do nome, deveria colocar "gratidão". Assim é meu irmão Roberto. 

Meu irmão teve que muito cedo aprender que ele seria o único homem da família, apesar de nosso pai ainda viver em casa. Era ele quem cuidava da mamis. O melhor amigo das irmãs... E para mim sempre foi o verdadeiro pai que tive. Talvez por isso ele seja a pessoa que mais aturou minha rebeldia. Ele foi a única pessoa com quem eu fui rebelde, bati de frente, briguei. Até agora, quando parei para escrever não tinha pensado nisso, mas, talvez uma tentativa infeliz de chamar a atenção dele.

Aos 14 anos ele já trabalhava duro e, em tudo que trabalhou ele aprendeu, quase sempre só observando porque a vida nunca lhe foi fácil. Mas ele sempre soube ser determinado e inteligente. É sempre soube fazer de tudo. Além de sua profissão. Meu irmão é daqueles homens que não param, que está sempre arrumando algo para fazer...

Ótimo pai, trabalhou muito duro para dar aos filhos aquilo que NUNCA teve. Ao contrário de nosso pai que dizia que não ia se matar para deixar para os outros, meu irmão fez o caminho inverso, abriu mão de seu conforto, pela educação e conforto dos filhos. 

Meu irmão é daquelas pessoas que sempre dá um jeito de ajudar toda família. Daquelas pessoas humanas e humildes demais. Que sempre dizem sim quando você precisa de algo, seja uma tomada quebrada ou um. chuveiro queimado. A máquina de lavar parou de funcionar? Ele também dá um jeitinho nem que troque várias peças... Ele sempre está presente.  Leva, trás, troca, arruma... Quer ver ele sem dormir? É saber que alguma de nós está com algum problema e ele não pode ajudar.

Ele é daquelas pessoas que pensa em todos. Sempre! Que carrega o mundo nas costas...

Perfeito? Não. Ele não é. Mas as suas qualidades superam qualquer defeito. Só tem um que eu não perdoou...
Ele não se cuida e não sorri mais... Por isso eu escolhi essa foto, porque é uma das poucas que ele está sorrindo.

Gratidão eterna por você meu irmão, por cuidar de mim, por comprar meus materiais escolares, por pagar curso de datilografia (isso entrega idade, mas foi isso que me permitiu assumir meu primeiro cargo público), por acreditar que eu poderia ter uma profissão melhor. Por estar ao meu lado mesmo quando eu não merecia. 

Gratidão por entender a cabeça dura que eu sou e por ter Deus dentro de você de uma forma que poucos entendem, mas eu sei que ELE te ama e sente muito orgulho de você.

Gratidão pelo homem que você se tornou e não repetir os erros horríveis que você viu dentro da nossa casa, por ser filho, irmão, marido, pai e avô maravilhoso.
Gratidão sem limites por você existir na nossa vida.

Eu te amo meu irmão, sou grata por você me perdoar e me permitir voltar a conviver com você e ainda cuidar de mim e da nossa mamis.

Deus te proteja grandemente, a você e sua casa. O tempo difícil ja passou, agora é só vitória. 

Essa postagem faz parte da postagem coletiva 52 semanas de gratidão, organizada pela Elaine Gaspareto, para saber como participar, clique na imagem abaixo.

LEIA MAIS